FILHOS (AS) DE MÃES PRIVADAS DE LIBERDADE: FORMAÇÃO DE VÍNCULO NA CASA DE ACOLHIMENTO

Denise Santana Silva dos Santos, Tânia Christiane Ferreira Bispo, Silvia Cátia Rodrigues Gonçalves, Sumaia Midlej Pimentel Sá, Carla Verônica Albuquerque Almeida

Resumo


Introdução: O encarceramento materno pode impactar na vida dos filhos acarretando na mudança do cuidador, da casa, escola, afastamento do convívio familiar, da comunidade e na institucionalização da criança e do adolescente devido ausência de algum familiar que possa assumir a tutela ou guarda. Objetivo: Analisar a vivência de crianças e adolescentes filhos de mães privadas de liberdade em uma casa de acolhimento. Método: Trata-se de uma pesquisa exploratória, descritiva com delineamento qualitativo com crianças e adolescentes de 8 a 18 anos. Os dados foram coletados através da observação participante e de entrevista semi estruturada, analisados de acordo com a análise de conteúdo de Bardin e categorizados, resultando em categorias analíticas. Resultados: Emergiram três categorias analíticas: vínculo afetivo, vínculo familiar e vínculos institucionais. Conclusão: Foi possível identificar que as crianças e adolescentes foram institucionalizados devido à situação de privação de liberdade materna, porém as mães encontram-se em liberdade e as crianças e adolescentes continuam institucionalizados e que, apesar do grande desejo de ficar com as famílias, eles preferem ficar na instituição devido a garantia de moradia, comida, escola, segurança e de um futuro melhor.


Palavras-chave


Criança; Institucionalização; Adolescentes; Prisões.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Ministério da Justiça. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. Infopen Mulheres Junho de 2014. Departamento Penitenciário Nacional 2014. Disponível em: https://www.justica.gov.br/noticias/estudo-traca-perfil-da-populacao-penitenciaria-feminina-no-brasil/relatorio-infopen-mulheres.pdf. Acessado em 19/07/2017

Brasil. Ministério da Justiça. Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. Infopen Dezembro de 2014. Disponível em: http://www.justica.gov.br/seus-direitos/politica-penal/documentos/infopen_dez14.pdf. Acessado em 19/07/2017

Glaze LE, Maruschak LM. Parents in prision and their minor children. Whashington, DC. Bureau of Justice Statistcs, 2008.

Brasil. Secretaria de administração Penitenciária. Censo Penitenciário. São Paulo. 2002. www.sap.sp.br

Stella C, Serqueira VC. Guarda de filhos de mulheres presas e a ecologia do desenvolvimento humano. Revista Eletrônica de Educação 2015; 9 (3): 379-394.

Brasil. Estatuto da Criança e do Adolescente. 1990. Lei n. 8.069. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2009/Lei/L12010.htm#art2. Acessado em 19/06/16.

Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Constituicao/Constituicao.htm. Acessado em 08/06/16.

Brasil. Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária. Resolução n° 4 de 15/07/2009. Disponível em:

Brasil, Lei de Execução Penal, Disponível em: Acesso em 05/09/2014.

Brasil. Conselho Nacional de Justiça. Regras de Bangkok: Regras das Nações Unidas Para o Tratamento de Mulheres Presas e Medidas não Privativas de Liberdade para Mulheres Infratoras 2016. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/files/conteudo/arquivo/2016/03/27fa43cd9998bf5b43aa2cb3e0f53c44.pdf. Acessado em 28/12/2016.

Simões VFN. Filhos do cárcere: limites e possibilidades de garantir os direitos fundamentais dos filhos das mulheres privadas de liberdade no Brasil. Porto Alegre: Núria Fabris, 2013.

Santa Rita R. Mães e crianças atrás das grades: em questão o princípio da dignidade humana[dissertação]. Brasília. Universidade de Brasília. 2006.

Rizzini I. A institucionalização de crianças no Brasil. Percursos históricos e desafios presentes. 2ª ed. Editora PUC Rio, 2004.

Souza JC, Carvalho AMP. Repercussões do ambiente familiar alcoolista para o desenvolvimento da criança. Pediatria Moderna. 2010; 46 (3): 114-9.

Fundos das Nações Unidas para infância. UNICEF. Declaração dos direitos da criança. [citado em: 01 jan 2004]. Disponível em: URL: http://www.unicef.org/brazil

Brasil, Conselho Nacional de Justiça. http://www.cnj.jus.br/cnca/publico/ Acessado em 03/06/2017.

Brasil. Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescentes, Conselho Nacional de Assistência Social. Orientações Técnicas: serviços de acolhimento para crianças e adolescentes. Brasília 2009. Disponível em:. Acesso em: 04 abr. 2016

Murray J, Farrington DP, Sekol I. Children’s Antisocial Behavior, Mental Health, Drug Use, and Educational Performance After Parental Incarceration: A Systematic Review and Meta-Analysis. Psychological Bulletin. 2012; 138 (2):175–210.

Feijó LP, Oliveira DS. Privações afetivas e relações de vínculo: psicoterapia de uma criança institucionalizada. Contextos clínicos. 2016; 9 (1): 72-85. DOI: 10.4013/ctc.2016.91.06.

Giagazoglou P, Koulious C, Sidiropoulou M, Fahantidou A. The effectofinstitutionalizationonpsychomotordevelopmentofpreschollagedchildren. Research inDevelopmentalDisabilities 2012; 33: 964–970.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. 14° edição Hucitec editora. 2010.

Bronfenbrenner U. A Ecologia do desenvolvimento humano: experimentos naturais e planejados, 2° reimpressão. Porto Alegre: Artes Médicas, 2005.

Bardin L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70 Ltda, 2009.

Torres CROV. “Por um céu inteiro”: crianças, educação e sistema prisional [tese]. Salvador: Universidade Federal da Bahia, Bahia, 2010.

Stella C. O impacto de encarceramento materno no desenvolvimento psicossocial do filho. Revista de Educação. 2009; 4(8):99-111.

Siqueira AC, Dell’Aglio DD. Crianças e adolescentes institucionalizados: desempenho escolar, satisfação de vida e rede de apoio social. Psicologia: Teoria e Pesquisa. 2010; 26(3): 407-15.

Golin G, Benetti SPC. Acolhimento precoce e o vínculo na institucionalização. Psicologia: Teoria e Pesquisa 2013; 3 (29):241-248.

Vigotsky LS. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes; 2010.

Piaget J. A construção real da criança. Rio de Janeiro: Zahar; 2006.

Spitz RA. O primeiro ano de vida. Rocha EM: tradução. São Paulo: Martins Fontes; 1998.

Bowlby, J. Apego e perda: separação, angústia e raiva. São Paulo: Martins Fontes; 2004.

Winnicott DW. Privação e delinquência. São Paulo. Martins Fontes; 2012.

Cúnico S D, Arpini D M. A família em mudanças: Desafios para a paternidade contemporânea. Pensando Famílias; 2013; 17(1): 28-40.

Trivellato AJ, Carvalho C, Vectore C. Escuta afetiva: possibilidades de uso em contextos de acolhimento infantil. Psicol. Esc. Educ 2013; 2 (17). 170-182.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS PARA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA 1979 - 2017 | BR 101 KM 197 | CAIXA POSTAL 18 | CACHOEIRA - BAHIA | +55 (75) 3425 - 8000