A EFICÁCIA DA CINESIOTERAPIA NA REDUÇÃO DA DIÁSTASE DO MÚSCULO RETO ABDOMINAL EM PUÉRPERAS DE UM HOSPITAL PÚBLICO EM FEIRA DE SANTANA - BA

Andréia Caroline Sampaio Michelowski, Leyliete Ramos Simão, Eliane Alvarenga melo

Resumo


O objetivo deste estudo, foi verificar se a fisioterapia por meio da cinesioterapia é eficaz para a redução da DMRA no puerpério imediato. Foi utilizado um estudo intervencionista, também chamado de experimental, aleatório com 20 puérperas com idade entre 18 a 40 anos, recrutadas da Unidade Materno Infantil do Hospital Geral Cleriston Andrade em Feira de Santana – BA, no período de maio a julho de 2012. Grupo controle (n=10), foram avaliadas através de um questionário de Saúde da Mulher e não receberam intervenção fisioterapêutica constando apenas em duas avaliações, uma avaliação 6 horas pós-parto e uma reavaliação 18 horas pós-parto; Grupo intervenção (n=10), foram avaliados através do mesmo questionário e receberam o atendimento fisioterapêutico através da cinesioterapia por contrações abdominais, controle respiratório e também o fortalecimento do assoalho pélvico, as 6 e 18 horas pós parto, constando em duas sessões, sendo a primeira uma avaliação e tratamento e a segunda, o tratamento e a reavaliação, ambos os grupos assinaram o TCLE. Utilizou-se um paquímetro, como um instrumento de medida de precisão, na mensuração da diástase abdominal. Para obter os resultados, foi comparada a média entre as medidas supra umbilicais, umbilicais e infra umbilicais antes e após nos grupos controle e intervenção, as diferenças foram estatisticamente significativas segundo o teste t Student. Como considerações finais, a intervenção fisioterapêutica no puerpério imediato demonstra redução clinicamente significante.

 

 


Palavras-chave


Diástase dos músculos reto abdominais, puerpério imediato, fisioterapia, cinésioterapia.

Texto completo:

PDF

Referências


Kisner C, Colby LA. Exercícios terapêuticos fundamentos e técnicas. 4ª ed. Barueri: Manole; 2005.

Stephenson RG, O’Connor LJ. Fisioterapia aplicada à ginecologia e obstetrícia. 2ª ed. São Paulo: Manole; 2004.

Baracho E. Fisioterapia aplicada à obstetrícia aspectos de ginecologia e neonatologia. 3ª ed. Rio de Janeiro: Medsi; 2002.

Bim CR, Perego AL. Fisioterapia aplicada à ginecologia e obstetrícia. Iniciação Científica Cesumar. 2002 mar–jul; 4(1): 57-61.

Moore KL, Dalley AF, Araujo CL. Anatomia orientada para clínica. 5ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2007.

Nogueira LF. Benefícios do exercício físico para gestantes nos aspectos fisiológicos e funcionais [monografia]. Londrina: Centro Universitário Filadélfia; 2009.

Souza CB. Incidência de diástase de reto abdominal no período de pós-parto imediato em puérperas do alojamento conjunto do HNSC Tubarão/SC [monografia]. Tubarão: Universidade do sul de Santa Catarina; 2006.

Freitas RS. Considerações Ergonômicas no período gravídico e puerperal [monografia]. Rio de Janeiro: Universidade Veiga de Almeida; 2008.

Hall CM, Brody LT. Exercício terapêutico na busca da função. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2001.

Rett MT, Braga MD, Bernardes NO, et al. Prevalência de diástase dos músculos reto abdominais no puerpério imediato: comparação entre primíparas e multíparas. Rev Bras Fisiot. 2009 jul-ago; 13(4): 275-80.

Zugaib M. Zugaib obstetrícia. Barueri: Manole; 2008.

Mesquita LA, Vieira MA, Andrade AV. Fisioterapia para Redução da Diástase dos Músculos Retos Abdominais no Pós-Parto. Rev Bras Ginecol Obstet. 1999; 21(5): 267-72.

Both AC, Reis MM, Moreira RS. Estudo comparativo da diástase do Musculo Reto Abdominal em puérperas praticantes de atividade física e sedentárias [monografia]. Belém: Universidade da Amazônia; 2008.

Beleza AC, Carvalho GP. Atuação fisioterapêutica no puerpério. Rev Hispeci & Lema. [Internet]. 2006 [acesso em 2012 fev 14]. Disponível em: www.fafibe.br/hispecielemaonline

Guimarães LS, Cruz MC. Exercícios terapêuticos: a cinesioterapia como importante recurso da fisioterapia. Lato & Sensu. 2003 out; 4(1): 3-5.

Weber S, Lima IA. Efeitos da cinesioterapia e laserterapia na síndrome do impacto do ombro: estudo de caso. [monografia] [Internet]. Santa Catarina: Universidade do Sul de Santa Catarina. 2003 [acesso em 2012 abr 10]. Disponível em: www.fisio-tb.unisul.br/TCC2003a.html.

Medronho RA, Katia VB, Ronir RL, Guilherme LW. Epidemiologia. 2ª ed. São Paulo: Atheneu; 2009.

Antônio CG. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5ª ed. São Paulo: Atlas; 2007.

IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. [Internet]. 2010 [acesso em 2011 out 30]. Disponível em: www.ibge.gov.br

Castilho EA, Kalil J. Ética e pesquisa médica: princípios, diretrizes e regulamentações. Rev da Soc Bras de Med Tropical. 2005; 38(4): 344-47.

Bittencourt HR. Bioestatística. [Internet]. Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul - Faculdade de Matemática Departamento de Estatítica. [acesso em 2012 set 27]. Disponível em: http://www.pucrs.br/famat/helio/Caderno_Bio_puc.pdf.

Leite AC, Araújo KK. Diástase dos retos abdominais em puérperas e sua relação com variáveis obstétricas. Rev Fisiot Mov. 2012; 25(2): 389-97.

Silva CB, Lemos A, Oliveira BDR. A diástase do músculo reto abdominal interfere na prensa abdominal no período expulsivo do parto? [monografia]. Recife: Faculdade Integrada do Recife; 2008.

Polden M, Mantle J. Fisioterapia em Ginecologia e obstetrícia. São Paulo: Santos; 2005.

Silva MM. Análise morfométrica da diástase dos músculos retos do Abdome no puerpério imediato [dissertação]. Recife: Universidade Federal de Pernambuco; 2003.

Rett MT, Bernardes NO, Santos AM, et al. Atendimento de puérperas pela fisioterapia em uma maternidade pública humanizada. Fisiot e Pesq. 2008 out-dez; 15(4): 361-6.

Paula BL, Soares MB, Lima GE. A eficácia da associação da cinesioterapia e da crioterapia nos pacientes portadores de osteoartrite de joelho utilizando o questionário Algo-Funcional de Lequesne. Rev Bras Ci e Mov. 2009; 17(4): 18-26.

Oliveira C. Efeito da cinésioterapia no assoalho pélvico durante o ciclo gravídico-puerperal [monografia]. São Paulo: Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo; 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS PARA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA 1979 - 2017 | BR 101 KM 197 | CAIXA POSTAL 18 | CACHOEIRA - BAHIA | +55 (75) 3425 - 8000