O cuidado à criança após a alta hospitalar

Mariana Marques Vieira, Maria Carolina Ortiz Whitaker

Resumo


O cuidado com a criança ocorre durante a hospitalização e deve ser planejado para a alta, sendo necessária comunicação entre as ações e serviços. O presente trabalho tem por objetivo conhecer como acontece a continuidade do cuidado após a hospitalização, na perspectiva dos pais ou responsáveis. Estudo descritivo, qualitativo, realizado num hospital-escola com 20 participantes. Os resultados estão apresentados em dois conteúdos temáticos: “a percepção do cuidado à saúde” e “as informações recebidas”. E revelaram que a percepção dos pais está relacionada, aos valores atribuídos à necessidade de acompanhamento, potencializado pela influência das orientações recebidas no momento da alta. O estudo indica que os profissionais de saúde devem ampliar o diálogo com familiares/cuidadores para enfatizar que crianças necessitam de cuidados integrais após a hospitalização e evidencia que o enfermeiro deve ser o responsável e mediador do preparo da alta uma vez que assume a função de gestor do cuidado.


Palavras-chave


Enfermagem Pediátrica; Atenção Básica à Saúde; Saúde da Criança.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, contagem populacional. [Internet] Brasília, 2010. [acesso em: 29 jul 2013] Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/Indicadores_Sociais/Criancas_e_Adolescentes/2010/Caracteristicas_Gerais/

Paranhos VD, Pina JC, Mello DF. Atenção integrada ás doenças prevalentes na infância e o enfoque nos cuidadores: revisão integrativa da literatura. Revista Latino-am. Enfermagem. 2011;19(1):1-9.

Silva RVGO, Ramos FRS. Processo De Alta Hospitalar da Criança: Percepções de Enfermeiros acerca dos Limites e das Potencialidades de sua Prática para a Atenção Integral. Texto Contexto Enfermagem. [Internet] 2011. [acesso em: 20 mar 2013] Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/tce/v20n2/a05v20n2.pdf

Marconi MA, Lakatos EM. Fundamentos da Metodologia Científica. 7ª ed. São Paulo: Editora Atlas; 2010. p. 169-170.

Nunkoosing K. The problem with interverviews. Qualitative Health Research, New Burry Park. 2005;15(5):698-706.

Gomes R. Análise e interpretação de dados de pesquisa qualitativa. In: Minayo MCS, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Petrópolis. 2007;28(1):79-108.

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. [Internet] Brasília, 2012. [acesso em: 29 mar 2013] Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/cns/2013/res0466_12¬_12_2012.html

Bocchi SCM. Vivenciando a sobrecarga ao vir-a-ser um cuidador familiar de pessoa com acidente vascular cerebral (AVC): uma análise do conhecimento. Rev. Latino-am. Enfermagem. 2004;12(1):115-121.

Shwan MC. Tratamento do Paciente Com Disfunção Neurológica. In: Smeltzer SC, Bare BG. Tratado de Enfermagem Médico – Cirúrgica. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

Delatorre PG. et al. Planejamento para a alta hospitalar como estratégia de cuidado de enfermagem: revisão integrativa. Rev. Enferm. UFPE on line. [Internet] Recife, 2013 [acesso em 13 out 2013] Disponível em: http://www.revista.ufpe.br/revistaenfermagem/index.php/revista/article/download/3968/8170

Souza S et al. Identificação da criança na pediatria: percepções dos profissionais de enfermagem. Rev. Baiana de Enf. 2015jan/abr;29(1):5-11.

Miasso AI, Cassiani SHB. Administração de medicamentos: orientação final de enfermagem para a alta hospitalar. Rev. Esc. Enferm. USP. 2005;39(2):136-144.

Furtado MCC et al. Avaliação da atenção ao recém-nascido na articulação entre maternidade e rede básica de saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem. [Internet] Goiás, 2010 [acesso em 28 jun 2014] Disponível em: https://www.fen.ufg.br/fen_revista/v12/n4/v12n4a07.htm

Monteiro AI et al. A expressão da autonomia do enfermeiro no acompanhamento de crescimento e desenvolvimento da criança. Rev. Enferm. UERJ. 2011;19(3):426-431.

Guimarães TMR, Tavares MMF. Impacto das ações de imunização pelo Programa de Saúde da Família na mortalidade infantil por doenças evitáveis em Olinda. Cad. Saúde Pública. 2009;25(4):868-876.

Zamberlan KC et al. Trajetória de familiares cuidadores de crianças ao pronto atendimento. Rev. Baiana de Enf. 2013;27(2):172-180.

Filócomo FRF et al. Estudo dos acidentes na infância em um pronto socorro pediátrico. Rev. Latino-am. Enfermagem. [Internet] São Paulo, 2002 [acesso em: 25 mai 2014] Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rlae/v10n1/7770.pdf


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS PARA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA 1979 - 2017 | BR 101 KM 197 | CAIXA POSTAL 18 | CACHOEIRA - BAHIA | +55 (75) 3425 - 8000