Perspectivas e motivações para a escolha da especialização: um estudo com graduandos de fisioterapia

Roberto Tosta Maciel

Resumo


O objetivo deste estudo foi identificar os fatores que influenciam o graduando do curso de fisioterapia na escolha da área de especialização. Trata-se de um estudo de caráter descritivo de natureza qualitativa. Para tal, foram realizadas entrevistas com graduandos de instituições de ensino publico e particular da cidade de Salvador – Bahia. Os resultados foram divididos em cinco categorias: área de escolha; fatores de influência; flexibilidade na escolha da área em função do mercado de trabalho; percepção acerca das competências e habilidades requeridas como determinantes da escolha da área profissional e prática de estágio. Concluiu-se que a prática de estágio, proporciona de forma prévia uma rotina profissional, desenvolvimento do interesse pessoal na área estagiada e aumento da confiança para atuar no mercado de trabalho. As vivências no âmbito familiar e a flexibilidade em função do mercado de trabalho também auxiliaram a nortear os acadêmicos na escolha da área de especialização.


Palavras-chave


Fisioterapia;Especialização;Ocupações.

Texto completo:

PDF

Referências


Cruz JAS, NSS, Vannucchi TR, Gouveia EM, Passerotti CC, Bruschini H, Srougi M. Fatores determinantes para a escolha da especialidade médica no Brasil. Rev Med (São Paulo) 2010;89(1).

Dias MSL,Soares DHP. A escolha profissional no direcionamento da carreira dos universitários. Psicologia: Ciência e Profissão. 2012;32(2).

Bickel J ,Bronw AJ. Generation X: Implications for Faculty Recruitment and Development in Academic Health Centers. Academic Medicine. 2005;80(3).

Santos LMM. O papel da família e dos pares na escolha profissional. Psicologia em Estudo. 2005;10(1).

Magalhães M,Redivo A. Re-opção de Curso e Maturidade Vocacional. Revista da ABOP. 1998;2.

Drummond AF, Mancini CM, Bueno KMP, Klausing KR, Moura LB. Fatores que influenciam a escolha da área de atuação entre formandos em Terapia Ocupacional. Rev Ter Ocup Univ São Paulo. 2009;20(2).

Crowe MJ ,Mackenzie L. The influence of fieldwork on the preferred future practice areas of final year occupational therapy students. Australian Occupational Therapy Journal. 2002;49.

Almeida,MEGG,Magalhães AS. Escolha profissional na contemporaneidade:projeto individual e projeto familiar. Revista Brasileira de Orientação Profissional. 2011;12(2).

Watte G, Manfroi WC, Machado CLB, Mantuan BC, Moreira ALS, Oliveira FdM, et al. Componentes Determinantes na Escolha da Especialização em Novos Profissionais Médicos. Revista Brasileira de Educação Médica. 2015;39(2):193-5.

Calvalcante CCL,Rodrigues ARS,, Dadalto TV, Silva EB. Evolução científica da fisioterapia em 40 anos de profissão. Fisioter Mov 2011;24(3).

Barros FBM. Poliomielite filantropia e fisioterapia. Ciência & Saúde Coletiva. 2008;13(3).

Ojeda BS, Creutzberg,M, Feoli AMP, Melo DS, Corbellini VL. Acadêmicos de enfermagem, nutrição e fisioterapia: a escolha profissional. Rev Latino-am Enfermagem 2009. 2009;17(3).

Marques AP Sanches EL. Origem e evolução da fisioterapia aspectos históricos e legais. Rev Fisiot Univ São Paulo. 1994;1(1).

Copetti SMB. Fisioterapia de sua origem aos dias atuais. Revista in pauta. 2004;2(1).

Bernadete Pita EG. Especialização e especialidade. Fisioter Pesqui. 2012;19(2).

Simoni DE, Carvalho JB, Moreira AR,Morera JAC,Maia ARC,Boreinstein MS. A formação educacional em fisioterapia no Brasil: fragmentos históricos e perspectivas atuais. Hist enferm Rev eletronica. 2015;6(1).

Teixeira MAP,Dias ACG, Wottrich SH,Oliveira AM. Adaptação à universidade em jovens calouros. Psicol Esc Educ 2008;12(1).

Souza MF SR. O processo de escolha da área de atuação pelo graduando de psicologia. Revista Kaleidoscópio. 2012;3:36.

Teixeira MAP GW. Estou me formando... e agora? Reflexões e perspectivas de jovens formandos universitários. Revista Brasileira de Orientação Profissional 2004;5(1).

Duarte EC, Barreto SM. Transição demográfica e epidemiológica: a Epidemiologia e Serviços de Saúde revisita e atualiza o tema. Epidemiologia e Serviços de Saúde. 2012;21(4):529-32.

JPB J. Fisioterapia e saúde coletiva desafios e novas responsabilidades profissionais. Ciênc saúde coletiva. 2010;15(1).

MA R. Quatro diferentes visões sobre o estágio supervisionado. Revista Brasileira de Educação. 2013;18(55).

Nepomuceno RF WG. Influência da família na decisão profissional: opinião de adolescentes. Revista Semestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional. 2010;14(1).

Comin F-S, Nedel AZ, Santos MA. Temos nosso próprio tempo: grupo de orientação das escolhas profissionais com alunos do ensino médio. Vínculo. 2011;8(1).

Colombo G PL. Maturidade para escolha profissional, habilidades sociais e inserção no mercado de trabalho. Revista Brasileira de Orientação Profissional jul-dez 2014, Vol 15, No 2, 201-212. 2014;15(2).

Pauli RC,Nakabashi L, Sampaio AV. Mudança estrutural e mercado de trabalho no Brasil. Revista de Economia Política. 2012;32(3).

Fleury MTL, Fleury A. Construindo o conceito de competência.pdf>. Rev Adm Contemp. 2001;5.

Brandão HP,Guimarães TA. Gestão de competências e gestão de desempenho: tecnologias distintas ou instrumentos de um mesmo construto? RAE Revista de Administração de Empresas. 2001;41(1).

Benito GAV, Tristão KM, de Paula ACSF, Santos MA, Ataide LJ, Lima RCD. Desenvolvimento de competências gerais durante o estágio supervisionado. Rev Bras Enferm. 2012;65(1).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS PARA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA 1979 - 2017 | BR 101 KM 197 | CAIXA POSTAL 18 | CACHOEIRA - BAHIA | +55 (75) 3425 - 8000