CARACTERIZAÇÃO DA FORÇA MUSCULAR RESPIRATÓRIA EM PACIENTES PÓS ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL

Sabrina Clares de Almeida, Izabel Maria de Oliveira, Wana Karla Costa de Matos, Elisangela Vilar de Assis, Elias Ferreira Porto

Resumo


INTRODUÇÃO: o acidente vascular cerebral é a segunda causa global de morte e a principal causa de incapacidade. Após o acidente vascular cerebral, há potencial perda da capacidade de gerar quantidades normais de força em músculos dos membros superiores e inferiores bem como do sistema respiratório, condição para limitações em múltiplos aspectos na saúde funcional. OBJETIVO: caracterizar a força muscular respiratória em pacientes pós acidente vascular cerebral de um Centro de Reabilitação Física. MÉTODO: trata-se de um estudo transversal de abordagem quantitativa, realizado em um Centro de Reabilitação Física de Iguatú - Ceará, com vinte e dois pacientes. A força muscular respiratória foi mensurada por meio de um manovacuômetro com escala de pressão 0 a -300 cmH 2 O e de 0 a 300 cmH 2 O. RESULTADOS: Avaliaram-se 22 indivíduos com idade entre 44 e 73 anos, de ambos os sexos, idade média de 62,1±9,7 anos, peso médio de 64,5±14,8, maioria do sexo feminino 12(54%). Apresentou-se uma pressão inspiratória máxima média de -48,08±30,9 cmH 2 O e Pressão Expiratória Máxima média de 66±21,6 cmH 2 O, evidenciando uma diminuição significativa da força muscular inspiratória e expiratória dos pacientes avaliados quando comparadas aos valores de referência. CONCLUSÃO: Na amostra estudada houve diminuição da resistência dos músculos inspiratórios e expiratórios evidenciada pela diferença significante nas pressões respiratórias máximas em relação aos valores de referência. Tornando-se desejável a implementação de intervenções com o potencial de prevenir morbidades relacionadas a diminuição da função respiratória, por vezes associadas a causas de morte não vascular em pacientes pós acidente vascular cerebral.


Palavras-chave


Acidente Vascular Cerebral; Força Muscular; Paresia

Texto completo:

PDF

Referências


Cancela DMG. O acidente vascular cerebral: classificação, principais

consequências e reabilitação. O portal do Psicólogo, Portugal. [Internet].

:1-18 [citado em 2014 Out 22]. Disponível em:

http://www.psicologia.pt/artigos/textos/TL0095.pdf

Hachinski V. Stroke and potentially preventable dementias proclamation.

Stroke. 2015; 46: 3039-3040.

Shakir R.; Norrving B. Stroke in ICD-11: the end of a long exile. The

Lancet, 2017; 389(10087): 2373.

Shakir R. The struggle for stroke reclassification. Nature Reviews

Neurology, 2018; 14: 447–448.

Feigin VL, Roth GA, Naghavi M, Parmar P, Krishnamurthi R, Chugh, et

al. Global burden of stroke and risk factors in 188 countries, during

–2013: a systematic analysis for the Global Burden of Disease

Study 2013. The Lancet Neurology, 2016; 15 (9): 913-924.

Menezes KK, Nascimento LR, Ada L, Polese JC, Avelino PR, Teixeira-

Salmela LF. Respiratory muscle training increases respiratory muscle

strength and reduces respiratory complications after stroke: a systematic

review. Journal of physiotherapy, 2016; 62(3): 138-144.

Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares. [Internet]. Acesso

em 09 de agosto de 2018. Disponível em:

http://www.sbdcv.org.br/publica_campanhas.asp

Feroldi MM, et al. Efeito de um protocolo fisioterapêutico na função

respiratória de crianças com paralisia cerebral. Rev. Neurociencia. 2011;

(1):109-114.

Meneghetti CHZ, Figueiredo VD, Guedes CAV, Batistela ACT. Avaliação

da Força Muscular Respiratória em Indivíduos Acometidos por Acidente

Vascular Cerebral. Revista Neurociências. Araras- SP, 2011; 19(1): 56-

Cury LJ, Pinheiro RA, Brunneto FA. Modificações da dinâmica

respiratória em indivíduos com hemiparesia pós-acidente vascular

encefálico. Revista Assobrafir Ciência, 2009; 4: 55-68.

Fiore JF, et al. Pressões respiratórias máximas e capacidade vital:

comparação entre avaliações através de bocal e de máscara facial.

Jornal Brasileiro de Pneumologia, 2004.

Lemos A, et al. Avaliação da força muscular respiratória no terceiro

trimestre de gestação e no puerpério tardio. Revista Brasileira de

Fisioterapia, Recife-PE, Faculdade Integrada do Recife. 2008; 9(3): 172-

Black LF, Hyatt RE. Maximal respiratory pressures: normal values and

relationship to age and sex. Am Rev Respir Dis. 1969;99(5):696-702.

Moreno MA, Catai AM, Teodori RM, Borges BLA, Cesar MC, Silva E.

Efeito de um programa de alongamento muscular pelo método de

reeducação postural global sobre a força muscular respiratória e a

mobilidade toracoabdominal de homens jovens sedentários. Jornal

Brasileiro de Pneumologia, 2007; 33(6):.679-686.

Costa D, et al. Novos valores de referência para pressões respiratórias

máximas na população brasileira. Jornal Brasileiro de Pneumologia.

; 36(3): 306-312.

Joukhadar E, et al. Avaliação da força dos músculos inspiratórios e

expiratórios em indivíduos hemiparéticos adultos idosos e saudáveis.

Revista Brasileira de Fisioterapia, 2004.

Tsukamoto, et al. Análise da independência funcional, qualidade de vida,

força muscular respiratória e mobilidade torácica em pacientes

hemiparéticos submetidos a um programa de reabilitação: estudo de

caso. Revista Ciências biológicas da saúde, 2010; 31(1): 63-69.

Inácio E, et al. Força muscular e padrão respiratório em hemiplégicos

crônicos. Revista Brasileira de Fisioterapia. 2004; Supl. S92.

Feroldi MM, et al. Efeito de um protocolo fisioterapêutico na função

respiratória de crianças com paralisia cerebral. Rev Neurociencia, 2011;

(1):109-114.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS PARA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA 1979 - 2017 | BR 101 KM 197 | CAIXA POSTAL 18 | CACHOEIRA - BAHIA | +55 (75) 3425 - 8000