Nível do lactato pré e pós estimulação elétrica neuromuscular em UTI

Geovane Rossone Reis

Resumo


Introdução: A inatividade prolongada no leito ocasiona um declínio na força, resistência e na massa muscular que podem ser revertidos ou atenuados com a utilização da eletroestimulação neuromuscular (EENM). Este recurso fisioterapêutico permite que a musculatura possa aumentar a sua capacidade oxidativa. Objetivo: Analisar o nível de lactato sérico pré e pós a utilização de EENM em pacientes internados em UTI. Material e Método: Participaram do estudo em 23 pacientes internado na UTI do Hospital Regional de Gurupi, com média de idade de 44,89±17,32 anos, Escala de Coma de Glasgow (ECGl) < 8 ou Richmond Agitation-Sedation Scale (RASS) < -2 e que tivessem indicação para o uso da EENM. O nível de lactato sérico foi mensurado antes e após a utilização de 30 minutos de EENM na frequência de 50 Hz, largura de pulso de 350 microssegundos e intensidade até ser obtida a contração visível. Resultados: Verificou-se a variação de lactato em +1,3 em nove pacientes e, em onze pacientes a variação do lactato foi de -0,49. Conclusão: A EENM promove alteração nos níveis de lactato sérico.


Palavras-chave


Fisioterapia; Lactato; Estimulação Elétrica; Atrofia Muscular; Metabolismo Energético.

Texto completo:

PDF

Referências


Martins FLM, Guimarães LHCT, Vitorino DFM, Souza LCF. Eficácia da eletroestimulação funcional na amplitude de movimento de dorsiflexão de hemiparéticos. Rev Neurocienc. 2004;12:103-9.

Soetanto D, Kuo C, Babic D. Stabilization of human standing posture using functional Neuromuscular stimulation. J Biomec. 2001;34:589-97.

Jette DU, Latham NK, Randall JS, Gassaway J, Slavin MD, Hom SD. Physical therapy interventions for patients white stroke in inpatient rehabilitation facilities. Phys ther. 2005;85:238-48.

França EET, et al. Fisioterapia em pacientes críticos adultos: recomendações do Departamento de Fisioterapia da Associação de Medicina Intensiva Brasileira. Rev Bras Ter Intensiva. 2012;24(1):6-22.

De Jonghe B, Sharshar T, Lefaucheur JP, Authier FJ, DurandZaleski I, Boussarsar M, Cerf C, Renaud E, Mesrati F, Carlet J, Raphael JC, Outin H, Bastuji-Garin S; Groupe de Réflexion et d’Etude des Neuromyopathies en Réanimation Paresis acquired in the intensive care unit: a prospective multicenter study. JAMA. 2002;288(22):2859-67.

Leijten FS, Harinck-de-Weerd JE, Poortvliet DC, de Weerd AW. The role of polyneuropathy in motor convalescence after prolonged mechanical ventilation. JAMA. 1995;275(15):1221-5

Sibinelli M, Maioral DC, Falcão ALE, Kosour C, Dragosavac D, Lima NMFV. Efeito imediato do ortostatismo em pacientes internados na unidade de terapia intensiva de adultos. Rev Bras Ter Intensiva. 2012; 24(1):64-70.

Perme C, Chandrashekar R. Early mobility and walking program for patients in intensive care units: creating a standard of care. Am J Crit Care. 2009;18(3):212-21.

Needham DM. Mobilizing patients in the intensive care unit: improving neuromuscular weakness and physical function. JAMA. 2008;300(14):1685-90

Wagenmakers AJ. Muscle function in critically ill patients. Clin Nutr. 2001;20(5):451-4. Review.

Silva APP, Maynard K, Cruz MR. Efeitos da fisioterapia motora em pacientes críticos: revisão de literatura. Rev Bras Ter Intensiva. 2010; 22(1):85 91.

Benetti M, Santos RT, Carvalho T. Cinética de lactato em diferentes intensidades de exercícios e concentrações de oxigênio. Rev Bras Med Esporte _ Vol. 6, Nº 2 – Mar/Abr, 2000.

Robergs RA, Roberts SO. Princípios fundamentais de fisiologia do exercício para aptidão, desempenho e saúde. 1 ed. São Paulo: Phorte, 2002.

Ferreira LL, Vanderlei LC, Valenti VE. Efeitos da eletroestimulação em pacientes internados em unidade de terapia intensiva: revisão sistemática. ASSOBRAFIR Ciência. 2013 Dez; 4(3):37-44.

Pinheiro AR, Christofoletti G. Fisioterapia motora em pacientes internados na unidade de terapia intensiva: uma revisão sistemática. Rev Bras Ter Intensiva. 2012; 24(2):188-196.

Wallace D, Duncan PW, Lai SM. Comparison of the responsiveness of the Barthel Index and the motor component of the Functional Independence Measure in stroke: the impact of using diferrent methods for measuring responsiveness. J Clin. Epidemiol. 2002; 55:922-8.

Borges VM, Oliveira LRC, Peixoto E, Carvalho NAA. Fisioterapia motora em pacientes adultos em terapia intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2009; 21(4):446-452.

Clini E, Ambrosino N. Early physiotherapy in the respiratory intensive care unit. Respir Med. 2005;99(9):1096-104.

Camarda SRA. Fisiologia do exercício. AVM Instituto, Brasília- DF, 2010.

Mcardle WD, Katch FI, Katch VL. Fisiologia do exercício: nutrição, energia e desempenho humano. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2015.

Germano MD et al. Efeito de diferentes tempos de pausas passivas no treinamento intervalado de alta intensidade. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo. v.9. n.52. p.206-215. Mar./Abril. 2015. ISSN 1981-9900.

Robergs RA, Ghiasvand F, Parker D. Biochemistry of exercise

induced metabolic acidosis. American Journal Of Physiology Regulatory

Integrative And Comparative Physiology, n. 287, p. 502-516, 2004.

Wilke CF, Garcia ES, Barros CLMB. Potência máxima alcançada em um teste progressivo estima intensidade correspondente à máxima fase estável de lactato em cicloergômetro antes e após um período de treinamento. Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG, Belo Horizonte, 2010.

Pereira B. Souza Junior TP. Metabolismo celular e exercício físico: aspectos bioquímicos e nutricionais. 2 ed. São Paulo: Phorte, 2007.

Senra D e cols. Medicina Intensiva: fundamentos e prática. São Paulo: Atheneu, 2013

Tallo FS, Guimarães HP, Lopes RD et al. Drogas Vasopressoras nos Estados Choque: Qual é a Melhor Opção? Rev Bras Clin Med, 2008;6:237-242.

Ferrari GH et al. Efeitos de diferentes métodos de recuperação sobre a remoção de lactato e desempenho anaeróbio de futebolistas. Rev Bras Med Esporte - Vol. 19, No 6 - Nov/Dez, 2013.

Halestrap AP, Meredith D. The SLC16 gene family – from monocarboxylate transporters (MCTs) to aromatic amino acid transporters and beyond. Eur J Physiol 2004;447:619-28.

Baldari C, Videira M, Madeira F, Sergio J, Guidetti L. Blood lactate removal during recovery at various intensities below the individual anaerobic thresshold in triathletes. J Sports Med Phys Fitness 2005;45:460-6.

Tessitore A, Meeusen R, Pagano R, Benvenuti C, Tiberi M, Capranica L. Effectiveness of active versus passive recovery strategies after futsal games. J Strength Cond Res 2008;22:1402-12.

Dupont, Grégory, Moalla, Wassim, Guinhouya, Comlavi, Ahmaidi, Said & Berthoin, Serge (2004). Passive versus Active Recovery during High- Intensity Intermittent Exercises. Medicin & Science in Sports & Exercise, 36 (2), 302-307.

Monedero J, Donne, B. (2000). Effect of recovery interventions on lactate removal and subsquente performance. International Journal of Sports Medicin, 21: 593-597.

Sairyo, K., Iwanaga, K., Yoshida, N., Mishiro, T., Terai, T., Sasa, T. & Ikata, T. (2003). Effects of active recovery under a decreasing work load following intense muscular exercise on intramuscular energy metabolism. International Journal of Sports Medicine, 24: 179-182.

Spierer, D. K., Goldsmith, R., Baran, D. A., Hryniewicz, Katz, S. D. (2004). Effects of active vs. passive recovery on work performed during serial supramaximal exercíse tests. International Journal of Sports Medicin, 25: 109- 114.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS PARA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA 1979 - 2017 | BR 101 KM 197 | CAIXA POSTAL 18 | CACHOEIRA - BAHIA | +55 (75) 3425 - 8000