ALGUMAS IMPLICAÇÕES PEDAGÓGICAS DO PENSAMENTO DE VIGOSTKI NO PROCESSO DE ENSINAGEM

Adalene Torres Barreto Sales, Denise Coutinho

Resumo


A partir de uma pesquisa bibliográfica, este artigo apresenta uma reflexão sobre as implicações do pensamento de L. Vigotski no processo de ensino-aprendizagem a nas estratégias de avaliação. O pensamento vigotskiano propõe que a escola seja vista como espaço sociocultural, o professor

A partir de uma pesquisa bibliográfica, este artigo apresenta uma reflexão sobre as implicações do pensamento de L. Vigotski no processo de ensino-aprendizagem a nas estratégias de avaliação. O pensamento vigotskiano propõe que a escola seja vista como espaço sociocultural, o professor e o aluno como sujeitos socioculturais. Além disso, destaca a natureza dialógica, social, histórica e cultural do processo de ensino-aprendizagem ou de ensinagem. A avaliação, por sua vez, deve estar coerente com a perspectiva epistemológica adotada na concepção do processo de ensino-aprendizagem. Assim, propõe-se a avaliação formativa, em oposição à avaliação conteudista e quantitativista, porque é consoante com a perspectiva construtivista sociointeracionista de Vigotski, uma vez que considera o aluno engajado no processo de ensino-aprendizagem e privilegia a construção do conhecimento.

PALAVRAS-CHAVE: Processo de Ensino-Aprendizagem. Sociointeracionismo. Avaliação Formativa. Ensinagem.

e o aluno como sujeitos socioculturais. Além disso, destaca a natureza dialógica, social, histórica e cultural do processo de ensino-aprendizagem ou de ensinagem. A avaliação, por sua vez, deve estar coerente com a perspectiva epistemológica adotada na concepção do processo de ensino-aprendizagem. Assim, propõe-se a avaliação formativa, em oposição à avaliação conteudista e quantitativista, porque é consoante com a perspectiva construtivista sociointeracionista de Vigotski, uma vez que considera o aluno engajado no processo de ensino-aprendizagem e privilegia a construção do conhecimento.

 


Palavras-chave


Processo de Ensino-Aprendizagem. Sociointeracionismo. Avaliação Formativa. Ensinagem.

Referências


COUTINHO, Maria Tereza e MOREIRA, Mércia (2005). Psicologia da Educação: um estudo dos processos psicológicos de desenvolvimento e aprendizagem humanos, voltados para a educação - ênfase nas abordagens interacionistas dos psiquismos humanos. 10 ed. Belo Horizonte: Formato Editorial, 2005.

DAYRELL, J. T. (1996) A escola como espaço sócio-cultural. Recuperado em 10 de junho de 2007, de http://www.lpp-uerj.net/olped/documentos/1619.pdf .

DIAS, S.S. & SILVA, M. (2005). Dialógica e Interatividade em Educação On-line [versão eletrônica]. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, 14(23), p. 169 a 179. Recuperado em 24 de abril, da ABED (Associação Brasileira de Educação à distância): www.abed.org.br.

GOMES, S. dos S. (2007). A avaliação formativa pensada no âmbito da didática. Belo Horizonte: PUC Minas Virtual.

HADJI, C. (2001). Avaliação Desmistificada. Porto Alegre: Artmed.

HOFFMANN, Jussara M. L (1994). Avaliação Mediadora: uma relação dialógica na construção do conhecimento. Série Idéias, 22, p. 51 – 59. Recuperado em 10 de junho de 2008, do Centro de Referência em Educação Mario Covas: http://www.crmariocovas.sp.gov.br.

PRIMO, Alex Fernando Teixeira (1996). Avaliação em processos de educação problematizadora online. In: SILVA, M. & Santos, E. (Org). Avaliação da Aprendizagem em Educação Online. São Paulo: Loyola. p. 38-49.

PIMENTA, Selma Garrido; ANASTASIOU, Léa das Graças Camargo (2005). Do ensinar a ensinagem. In: PIMENTA, Selma Garrido;

ANASTASIOU, Léa das Graças Camargo. Docência no ensino superior. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2005. p. 201-243.

VYGOTSKY, L. S. (2007). A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

_________________(2001). Aprendizagem e desenvolvimento intelectual na idade escolar In: Vygotsky, L. S. et al. Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 8ª ed. São Paulo: Ícone, 2001. p. 103 – 117.

________________ (2000). A construção do pensamento e da

linguagem. Tradução do russo de Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS PARA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA 1979 - 2017 | BR 101 KM 197 | CAIXA POSTAL 18 | CACHOEIRA - BAHIA | +55 (75) 3425 - 8000