POSSIBILIDADES E DIFICULDADES NO PROCESSO DE INCLUSÃO DOS EDUCANDOS COM NECESSIDADES EDUCACIONAIS ESPECIAIS: UM ESTUDO DE CASO COM DOCENTES DAS SÉRIES FINAIS DO ENSINO FUNDAMENTAL DE UMA ESCOLA PÚBLICA DE SÃO FÉLIX-BA

Adriano Santana Matos, Avany Rodrigues Teixeira dos Santos, Gersica Luiza dos Santos Pereira Andrade, Juciane de Souza Santos, José Ferreira Maia Filho

Resumo


Este estudo tratou-se da temática: possibilidades e dificuldades no processo de inclusão dos educandos com necessidades educacionais especiais: um estudo de caso com docentes das séries finais do ensino fundamental de uma escola pública de São Félix-BA. Buscou responder a seguinte problemática: qual a concepção dos professores acerca do processo de inclusão escolar de estudantes com necessidades educacionais nas séries finais do ensino fundamental numa escola pública de São Félix-Ba? O objetivo geral que norteou esta investigação foi: compreender a concepção dos professores acerca da inclusão dos educandos com necessidades educacionais nas séries finais do ensino fundamental numa escola pública de São Félix-Ba a partir da perspectiva sociohistórica, tendo como objetivos específicos: compreender o significado que os professores atribuem a inclusão em educandos com necessidades educacionais especiais; analisar as práticas de ensino-aprendizagem adotadas pelos professores em relação à inclusão escolar; levantar as propostas avaliativas da aprendizagem desenvolvidas pelos professores. Esse estudo foi fundamentado principalmente nas ideias dos seguintes autores: Dayrell (2007), Delors (1998), Arruda (2014), Anache (2010), Rego (1995), Gomes (2007), Aranha (2006), Palma (2010), Rodrigues (2011), Maraschin (2003), Vitaliano (2007), Porto (2009), Solé (2001), Schirmer (2007) e Vygotsky (1997). Metodologicamente, o trabalho foi concebido a partir de uma abordagem qualitativa, cujo método escolhido foi estudo de caso. O local da pesquisa foi uma escola pública do município de São Félix-Ba, cujos participantes foram seis docentes de educandos com NEE das séries finais do ensino fundamental (compreendidas entre o 6° ao 9 ° ano). O instrumento de coleta foi entrevista aberta. Os dados foram analisados à luz da Técnica de Analise de Conteúdo de Bardin (1987). Três grandes categorias foram apresentadas nos resultados, classificadas como “significado da inclusão escolar”, “práticas inclusivas de ensino-aprendizagem” e “necessidades no processo de inclusão”. Considerando a importância da concretização da garantia do direito de aceso e permanência à educação dos educandos com necessidades educacionais especiais, este estudo apontou que a instituição escolar pesquisada encontra-se no processo de transição para a inclusão, o que implica em melhor compreensão do conceito de inclusão, em ressignificação e ampliação das experiências educativas inclusivas com base na flexibilização e adaptação curricular, inclusive em relação à prática da atividade física escolar adaptada.


Palavras-chave


Inclusão; Necessidades Educacionais Especiais; Possibilidades; Dificuldades.

Referências


AMATUZZI, Mauro Martins. O que é ouvir. Revista do Instituto de Psicologia da PUCCAMP. vol. 07 n° 02 agosto/dezembro, 1990.

ANACHE, Alessandra Ayach. As contribuições da abordagem histórico- cultural para a pesquisa sobre os processos de aprendizagem da pessoa com deficiência mental. In: Educação especial: diálogo e pluralidade/ organização de Cláudio Roberto Baptista, Kátia Regina Moreno Caiado e Denise Meyrellesde Jesus... et alii. Porto alegre: Editora Meditação, 2010.

ARANHA, Maria Salete Fábio. Educação inclusiva: A Fundamentação Filosófica - 2 ed. Brasília: MEC, SEESP, 2006.

ARRUDA, Marco Antônio; Mauro de Almeida. (coord.). Cartilha de inclusão escolar: Inclusão baseada em evidências científicas. Ribeirão Preto, São Paulo: domínio público, 2014. Disponível em Acessado em 10/09/2014.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 1987.

BEAUCLAIR, João. Para entender Psicopedagogia: perspectivas atuais desafios futuros. – Rio de Janeiro Wak, 2006.

BUBER, Martins. Do diálogo e do dialógico. São Paulo, Perspectiva, 1982.

CARNEIRO, Maria Sylvia Cardoso. A deficiência mental como produção social: de itard à abordagem histórico-cultural. IN: Inclusão e escolarização: múltiplas perspectivas/ organização Cláudio Roberto Baptista; Adriana Marcondes Machado... [et al].- Porto Alegre: Meditação, 2006.

CARVALHO, Maria Paula Rodrigues Sequeira de. Instituto Politécnico de Viseu. Millenium. 40: 161‐184, (2011). Adaptação dos Idosos Institucionalizados. Disponível em:< http://www.ipv.pt/millenium/Millenium40/12.pdf>. Acessado em 10 de março de 2014.

DAMIANI, Magda Floriana. Entendendo o trabalho colaborativo em educação e revelando seus benefícios. Educar, Curitiba, n. 31, p. 213-230, 2008. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/er/n31/n31a13.pdf>. Acessado em 15 de novembro de 2014.

DAYRELL, Juarez. A escola “faz” as juventudes? Reflexões em torno da socialização juvenil. Educ. Soc., Campinas, vol. 28, n. 100. Especial, p. 1105-1128, out. 2007. Disponível em http://www.cedes.unicamp.br Acessado em: 20 de novembro de 2014.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo, Cortez, 1998.

DUCK, Cíntia. Educar na diversidade: Material de Formação Docente. - 3 ed. Brasília: MEC, SEESP, 2006.

FÁVERO, Eugênia Augusta Gonzaga; Pantoja, Luísa de Marillac P; Mantoan, Maria Tereza Égler. Aspectos legais e orientação pedagógica. São Paulo: MEC/SEESP, 2007.

GLAT, R. Um novo olhar sobre a integração do deficiente. In: MANTOAN, M. T. (Org.). A integração de pessoas com deficiência: contribuições para uma reflexão sobre o tema. São Paulo: Memnon; SENAC, 1997.

GOMES, Adriana L. Limaverde (org.). Atendimento Educacional Especializado: Deficiência Mental. São Paulo: MEC/SEESP, 2007.

GOMES, Claudia; Rey, Fernando Luís Gonzalez. Inclusão Escolar: Representações Compartilhadas de Profissionais da Educação acerca da Inclusão Escolar. Campinas, São Paulo: PUC, 2007.

GOMES, Nilma Lino. Indagações sobre currículo: diversidade e currículo. Brasília: Ministério da Educação, Secretária de educação Básica, 2008.

LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de. A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Cad. Cedes, Campinas, vol. 26, n. 69, p. 163-184, maio/ago. 2006.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér. Inclusão escolar: o que é? Por quê? Como fazer? São Paulo: Moderna, 2003.

MARASCHIN, C; FREITAS, L.B.L; CARVALHO, D.C. Psicologia da educação: multiversos sentidos, olhares e experiências. Porto alegre: Ed. da UFRGS, 2003.

MARCHESI, Á. A prática das escolas inclusivas. In: COLL, C.; MARCHESI, Á.; PALACIOS, J. (Org.). Desenvolvimento psicológico e educação: transtornos do desenvolvimento e necessidades educativas especiais. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2004.

MINAYO, M. C. S.; DESLANDES, S. F.; GOMES, R. Pesquisa social – teoria, método e criatividade. Petrópolis, RJ: Vozes, 2007.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO: SEESP. Saberes e práticas da inclusão: desenvolvendo competências paras o atendimento às necessidades educacionais especiais de alunos surdos. 2. ed. Brasília: MEC, SEESP, 2006.

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL: Fundação Procurador Pedro Jorge de Melo e Silva (org.). O acesso de alunos com deficiência às escolas e classes comuns da rede regular. 2ª ed. rev. e atualiz. Brasília: Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão, 2004.

PALMA, L. E. Alunos com deficiência física: a compreensão dos professores de Educação Física sobre a acessibilidade nos espaços de prática para as aulas. Revista Educação, Santa Maria, v. 35, n. 2, p. 303-314, maio/ago. 2010.

PINHO, PAULO FREITAS. Documento Subsidiário à Política de Inclusão, Brasília. Brasília, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial, 2005.

PORTO, Olívia. Psicopedagogia Institucional: teroria, prática e assessoramento psicopedagógico. 3 ed. Rio de Janeiro: WAK Editora, 2009.

REGO, Teresa Cristina. Vygotsky: uma perspectiva histórico-cultural da educação. Petróplois, RJ: Vozes, 1995.

RODRIGUES, Eduardo Pedro. Afetividade na relação professor-aluno. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Ano 15, N° 153, Febrero de 2001. Disponível em: file:///F:/Transcri%C3%A7%C3%A3o%20EM%20Andamento12/Afetividade%20na%20rela%C3%A7%C3%A3o%20professor-aluno.html. Acessado em 10 de novembro de 2014.

SÁ, Elizabet Dias de. Atendimento Educacional Especializado: Deficiência Visual. São Paulo: MEC/SEESP, 2007.

SAVIANI, Dermeval. A nova lei da educação: Trajetória, limites e perspectivas. São Paulo: Autores Associados, 1997.

SCARDUA, Valéria Mota. A inclusão e o ensino regular. Revista FACEVV, Número 1, 2º Semestre de 2008.

SCHIRMER, Carolina R. (org.). Atendimento Educacional Especializado: Deficiência Física. São Paulo: MEC/SEESP, 2007.

SHAUGHNESSY, John J. Metodologia da pesquisa em Psicologia. 9ª ed. Porto Alegre, Rio Grande do Sul: MC Graw Hill 2012.

SILVA, R. H. R. Dilemas da Perspectivas da Educação Física Diante do Paradigma da Inclusão. Revista Pensar a Prática, 11/2: 125-135, maio/ago. 2008.

SOLÉ, Isabel; NEVES, Beatriz Affonso. Orientação educacional e intervencão psicopedagogica. Porto Alegre: Artmed, 2001.

TIBALLI, E. F. A. Estratégias de inclusão frente à diversidade social e cultural na escola. In: LISITA, V. M. S. S.; SOUSA, L. F. E. C. P. (Orgs.). Políticas educacionais, práticas escolares e alternativas de inclusão escolar.Rio de Janeiro: DP&A, 2003.p. 195-208. Disponível em < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_nlinks&ref=000106&pid=S1516-7313201000030000600018&lng=es> Acessado em 20/09/2014.

VASQUES, Carla K. Um coelho branco sobre a neve: estudo sobre a escolarização de sujeitos com psicose infantil. Porto Alegre: UFRGS, 2003.

VITALIANO, Célia Regina. Análise da necessidade de preparação pedagógica de professores de cursos de licenciatura para inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais. Rev. Bras. Ed. Esp., Marília, Set.-Dez. 2007, v.13, n.3. Disponível em:< http://www.ipv.pt/millenium/Millenium40/12.pdf>. Acessado em 10 de novembro de 2014.

VYGOTSKY, L. S. Obras escogidas: fundamentos de defectología. Tomo V. Madrid: Visor, 1997.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS PARA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA 1979 - 2017 | BR 101 KM 197 | CAIXA POSTAL 18 | CACHOEIRA - BAHIA | +55 (75) 3425 - 8000