A PERCEPÇÃO DOS PROFESSORES ACERCA DA PARTICIPAÇÃO DOS PAIS NO ENSINO E APRENDIZAGEM DE ALUNOS DE UMA ESCOLA PARTICULAR NO INTERIOR DA BAHIA

Luana Ramos Sena, Islâine Cristina Penha Carvalho, Mayara Fernanda Santos Silva, Daniely Trindade Paes, Mariana Leonesy da Silveira Barreto, Fabianno Andrade Lyra

Resumo


Sabendo que as instituições família e escola são de suma importância para o desenvolvimento social e cognitivo dos seres humanos, faz-se necessário compreender como as relações entre família e escola são percebidas por docentes da educação básica. As relações entre família e escola, muitas vezes, apresentam-se como objeto de questionamento pela comunidade docente, deixando margem para intervenções. Levando esta realidade em consideração este estudo busca compreender as apreensões dos professores de uma escola privada no que se refere à participação dos pais no processo ensino e aprendizagem dos seus filhos, a fim de identificar o significado da participação dos pais de acordo com a perspectiva dos professores e as implicações desta participação no processo de ensino e a aprendizagem. Para isso, foi realizada uma pesquisa qualitativa de estudo de caso, com a participação de quatro professores de uma escola situada na cidade de Cachoeira-BA. Como instrumento de pesquisa foi utilizado uma entrevista semiestruturada. Os dados foram gravados e posteriormente transcritos a partir da análise de conteúdo de Bardin (1979). Os resultados indicaram a existência de um pensamento cristalizado por parte dos docentes entrevistados, que ainda atribuem culpa à família, desconsiderando a parte cabível à escola na construção de relações saudáveis com as famílias. Devido à abrangência do tema, fazem-se necessários estudos que possam correlacionar uma baixa participação da família no processo de ensino-aprendizagem ao nível de escolaridade médio das famílias, aspectos didático-metodológicos da prática pedagógica dos professores e funcionalidade familiar. 


Palavras-chave


Professores; participação dos pais; ensino e aprendizagem

Referências


Asbhr, F. S., & Lopes, J. S. (2006). “A Culpa é Sua”. São Paulo: USP.

Borges, A., & Castro, M. (2007). Família, gênero e gerações: desafios para as políticas sociais. 1.ed. São Paulo: Paulinas.

Brasil. (1990). Ministério Público. Estatuto da Criança e do Adolescente. 3. ed. Brasília: editora do ministério da saúde.

Coll, C. A. ( 2004). Desenvolvimento Psicológico e Educação: transtorno de desenvolvimento e necessidades educativas especiais. São Paulo: Artmed.

Gentile, P. (2006). Abrir as portas à participação de familiares e da comunidade juda os alunos a ter sucesso na vida escolar e eolabora para Diminuir a evasão e a violência. São Paulo: Abril.

Godoy, A. S. (1995). Pesquisa qualitativa – Tipos fundamentais. Revista de administração de Empresas, 20-29.

Heidrich, G. (2009). A escola da família: aproximar os pais do trabalho pedagógico é um dever dos gestores. ed. 003, agost/setembro.. Disponível em: . Acesso em 16 de Novembro de 2014, disponível em Gestão Escolar: http://gestaoescolar.abril.com.br/comunidade/escola-familia-493363.shtml

Miller, F. D. (2012). Orientação Infantil. São Paulo: Cengage Learning.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS PARA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA 1979 - 2017 | BR 101 KM 197 | CAIXA POSTAL 18 | CACHOEIRA - BAHIA | +55 (75) 3425 - 8000