VALE DO PARAGUAÇU: QUATRO MUNICÍPIOS BAIANOS E A VALIDAÇÃO DE UM NOVO TERRITÓRIO

Leandro Oliveira Menezes, Maycon de Jesus Santos, Victor Henrique M. de Oliveira

Resumo


A forma que o ser humano encontrou para driblar a seleção natural foi utilizar seu potencial reflexivo e de criação para interferir na paisagem. Daí decorrem os significados de cidade e território. O Recôncavo Baiano é um território instituído pelo poder público, a partir de estudos que conferiram certa proximidade às cidades pertencentes, em relação às questões culturais, geoambientais, político-institucionais e econômicos. Entretanto, percebe-se que as políticas públicas não têm alcançado o êxito em relação ao desenvolvimento local no Recôncavo. Para tanto, este estudo objetivou defender, demarcar e denominar um novo território dentro do Recôncavo Baiano. Para alcançar este objetivo, foi necessário construir um referencial teórico que discutisse os conceitos de Cidade, Território, Espaço e Desenvolvimento Econômico Local; definir as cidades de Cachoeira, Maragogipe, Muritiba e São Félix como lócus da pesquisa; e realizar entrevistas com moradores destas cidades, ouvindo suas narrativas e relacionando-as com a história destas localidades. Portanto, é um estudo de caráter qualitativo. Concluiu-se que pela relação histórica, cultural, ambiental e geográfica, dentre outros fatores, é possível um novo recorte territorial, e que, de fato ele já existe, o Vale do Paraguaçu. Este artigo é resultado das discussões semanais do grupo de pesquisa Desenvolvimento Regional Sustentável, vinculado ao Núcleo de Estudos do Recôncavo em Administração e Negócios (NERAN), sediado na Faculdade Adventista da Bahia (FADBA). Adventista da Bahia.


Palavras-chave


Desenvolvimento local. Território. Vale do Paraguaçu

Texto completo:

PDF

Referências


BAHIA. Secretaria de Planejamento (SEPLAN). Política territorial do Estado da Bahia. 2015. Disponível em: http://www.seplan.ba.gov.br/arquivos/File/politica-territorial/PUBLICACOES_TERRITORIAIS/Historico_da_Politica_Territorial_da_Bahia.pdf. Acessado em: 01 nov. de 2017.

DOWBOR, Ladislau e POCHMANN, Marcio (org.). Políticas para o desenvolvimento local. São Paulo: Fundação Perceu Abramo, 2010.

FURTADO, Celso. Desenvolvimento e subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 5ª ed., 2016.

LE GOFF, Jacques. História e memória. Campinas: Editora da Unicamp, 7. ed., 2013.

PEREIRA, Fransielson dos Santos. As transformações socioespaciais na área de influência direta decorrente das intervenções do Estaleiro Enseada do Paraguaçu no Distrito de São Roque do Paraguaçu em Maragogipe-Ba. [monografia]. UFBA: Salvador, 2014.

PINSKY, Carla Bassanezi (org). Fontes históricas. São Paulo: Contexto, 2. ed., 2006.

ROLNIK, Raquel. O que é cidade. São Paulo: Brasiliense, 3. ed., 2009.

SACHS, Ignacy. Desenvolvimento: includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2008.

SANTOS, Milton. Metamorfose do espaço habitado: fundamentos teóricos e metodológicos da geografia. São Paulo: USP, 6. ed., 2. reimp., 2014.

_______. O espaço do cidadão. São Paulo: USP, 2007.

TEBCHIRANI, Flávio Ribas. Princípios de economia: micro e macro. Curitiba: IBPEX, 3ª ed., 2011.

ZAPATA, Tânia. Desenvolvimento territorial endógeno: conceitos, dimensões e estratégias. In: ZAPATA, Tânia; AMORIM, Mônica e ARNS, Paulo Cesar. Desenvolvimento territorial. Florianópolis: SEaD/UFSC, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS PARA FACULDADE ADVENTISTA DA BAHIA 1979 - 2017 | BR 101 KM 197 | CAIXA POSTAL 18 | CACHOEIRA - BAHIA | +55 (75) 3425 - 8000