MÃES EM SITUAÇÃO DE PRISÃO: UM OLHAR SOBRE A CASA DE ACOLHIMENTO DO COMPLEXO PRISIONAL

Autores

Palavras-chave:

Abrigo, Prisão, Criança.

Resumo

Introdução: O Brasil possui a quinta maior população prisional feminina do mundo e a quarta maior de forma geral, quando contabilizado homens e mulheres. Objetivo: analisar a percepção de mães em situação de prisão acerca do abrigo onde residem seus filhos na cidade de Salvador/BA. Metodologia: pesquisa de campo exploratória, com abordagem qualitativa. Os dados foram coletados através de uma entrevista semiestruturada. Para a análise foi utilizado à técnica de análise de conteúdo de Bardin na modalidade temática. Resultados: emergiram três categorias: 1) De quem estamos falando? Caracterização das mães em situação de prisão; 2) O abrigo como um local pouco visitado, mas bem referido; 3) O distanciamento do binômio mãe-filho no contexto prisional. Conclusão: verificou-se uma visão demasiadamente positiva das mães para com o abrigo de seus filhos, envolta da invisibilidade e vulnerabilidade social em que se encontram.

Biografia do Autor

Mayana Santos Silva, UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB

GRADUANDA EM ENFERMAGEM NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA (UNEB), DEPARTAMENTO CIÊNCIAS DA VIDA (DVC), CAMPUS I.

INTEGRANTE DO NÚCLEO DE PESQUISA INTERFACES E SAÚDE (NUPEIS).

Lucas Gama Passos Silva, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Enfermeiro. Graduado pelo Departamento Ciências da Vida (DCV) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

Denise Santana Silva dos Santos, Docente do Curso de Enfermagem da Universidade do Estado da Bahia (UNEB).

Enfermeira. Doutoranda em Enfermagem Universidade Federal da Bahia - UFBA (2018). Mestre em Enfermagem UFBA (2011). Especialista em Neonatologia pela Universidade do Estado da Bahia (2008). Integrante do NUPEIS –Núcleo e Pesquisa Interfaces em Saúde.

Lucas Uanderson Lemos da Paz, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Graduando de Enfermagem no Departamento Ciências da Vida (DCV) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Integrante do NUPEIS –Núcleo e Pesquisa Interfaces em Saúde.

Tainara dos Santos Pereira, Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Graduanda de Enfermagem no Departamento Ciências da Vida (DCV) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Integrante do NUPEIS –Núcleo e Pesquisa Interfaces em Saúde.

Tânia Christiane Ferreira Bispo, Professora Titular da Universidade do Estado da Bahia (UNEB)

Enfermeira, PhD em saúde coletiva pelo Instituto de Saúde Coletiva da Universidade Federal da Bahia (2013). Mestre em Enfermagem na Atenção à Saúde da Mulher pela Escola de Enfermagem da UFBA (2002). Especialista em Enfermagem Obstétrica (1998). Coordenadora do NUPEIS –Núcleo e Pesquisa Interfaces em Saúde. 

Referências

Tecklin SJ. Fisioterapia Pediátrica. 3 ed. Porto Alegre: Artmed; 2002.

Flehmig I. Texto e Atlas do Desenvolvimento Normal e Seus Desvios no Lactente: Diagnósticos e Tratamento Precoce do Nascimento Até o 18 mês. São Paulo: Ateneu; 2005.

Gallahue DL; et al. Compreendendo o Desenvolvimento Motor: Bebês, Crianças, Adolescente e Adultos. 7ª ed. Porto Alegre AMGH Editora Ltda; 2013.

Facci MG. A periodização do desenvolvimento psicológico individual na perspectiva de Leontiev, Elkonin e Vigotski. Cad. Cedes, Campinas; 2004 Abr, (24): 64-81.

Serrão EMF. O Educador de Infância e o Jogo no Desenvolvimento da Criança. Lisboa. Dissertação [Mestrado em Educação, Formação Pessoal e Social] - Faculdade de Ciências Universidade de Lisboa; 2009.

Brasil. Decreto Nº 6.286, de 5 de dezembro de 2007. Institui o Programa de Saúde na Escola -PSE, e dá Providencias. Diário Oficial da União 5 dez de 2007.

Junior PFL. Desenvolvimento Motor Infantil Por Meio de Atividades Lúdicas Em Um Colégio Particular do Município de Guarapuava-PR. In: apresentação no IV Seminário Internacional Sobre Profissionalização Docente; 28 a 31 de ago. 2017; Curitiba, Brasil.

Batista C, Mussini V. Brincriança: A Criança Enferma e o Jogo Simbólico. Estudo de Caso. Campinas. Tese [Doutorado em desenvolvimento humano e educação] - Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas; 2003.

Caon G, Ries LGK. Suspeita de atraso no desenvolvimento neuropsicomotor em idade precoce: uma abordagem em creches públicas. Jornal of basic education, technical and technological; 2003 Set/Out, (4):106-117.

Queiroz TS. A criança: Fatores Que Influenciam Seu Desenvolvimento Motor. Artigo de Revisão. Rev. Digital Buenos Aires; 2010 abr, (15):143.

Miranda LP, Resegue R, Figueiras ACM. Children and adolescents with developmental disabilities in the pediatric outpatient clinic. Rev. Brasileira de Pediatria; 2003,79.

Pacheco ALPB, Dupret L. Creche: desenvolvimento ou sobrevivência? Rev. Psicologia USP. 2004, (3):103-116.

Brasil. Lei nº 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Diário Oficial da União 09 Jan 2001.

ALVES, J. G. B. Atividade física em crianças: promovendo a saúde do adulto. Rev. Brasileira Saúde Materno Infantil; 2003, (3):5-6.

Santos DCC, Tolocka RE, Carvalho J, Heringer LRC, Almeida CM, Miquelote AF. Desempenho Motor Grosso e Sua Associação Com Fatores Neonatais, Familiares e de Exposição à Creche em Crianças até Três Anos de Idade. Rev. Bras de Fisioter; 2009 març./abr, (13):173-179.

Gonçalves RP. Jogos e Brincadeiras e o Desenvolvimento Motor na Educação Infantil. Brasília. Monografia [Graduação] - Faculdade de Ciências da Educação e Saúde; 2016

Landmann LM, Ruzza P, Chesan FH. Espaço Educacional e a Possibilidade de Atuação do Fisioterapeuta. Rev. Inter Cient Aplic; 2009 Nov, (14):83-91.

Amorim RCA. Et al. Programa de saúde da família: proposta para identificação de fatores de risco para o desenvolvimento neuropsicomotor. Rev. Bras. de Fis; 2009 nov./dez, (13):6.

Ribeiro SB, Bezerra SM, Gondim ALS, Costa WAC. Atuação Fisioterapêutica Na Promoção De Saúde: Prática De Educação Postural Em Crianças Institucionalizadas; Rev. Brasileira de Saúde Funcional; 2015 Dez, (2):46-57.

Fernandes VJL. A Ludicidade Nas Práticas Pedagógicas da Educação Infantil. Rev. Cient Elet de Cien Soc Apli da EDUVALE; 2013 Nov.

Publicado

2020-04-20

Como Citar

Silva, M. S., Silva, L. G. P., Santos, D. S. S. dos, da Paz, L. U. L., Pereira, T. dos S., & Bispo, T. C. F. (2020). MÃES EM SITUAÇÃO DE PRISÃO: UM OLHAR SOBRE A CASA DE ACOLHIMENTO DO COMPLEXO PRISIONAL. Revista Brasileira De Saúde Funcional, 10(1), 39. Recuperado de http://seer-adventista.com.br/ojs3/index.php/RBSF/article/view/1200