SENTIMENTOS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO AO PACIENTE EM MORTE ENCEFÁLICA E POTENCIAL DOADOR

Autores

  • Joise Magarão Queiroz Silva Universidade Federal da Bahia https://orcid.org/0000-0002-5142-1150
  • VANESSA INGRID DOS SANTOS CORBACHO
  • TYCIANA PAOLILO BORGES
  • KARLA FERRAZ DOS ANJOS
  • LILIANE SOUZA CRUZ
  • KELLY CRUZ PIMENTEL SAMPAIO

Palavras-chave:

Morte encefálica. Obtenção de órgãos e tecidos. Enfermagem. Relação enfermeiro-paciente.

Resumo

O processo de doação de órgãos e transplantes é uma atividade complexa, geralmente implementada por uma equipe multiprofissional, em que a equipe de enfermagem atua no cuidado ao paciente em Morte encefálica e potencial doador. O estudo tem como objetivo conhecer os sentimentos da equipe de enfermagem no cuidado ao paciente em morte encefálica e potencial doador de órgãos em uma Unidade de Terapia Intensiva adulto de um Hospital Geral em Salvador-BA. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, em que os participantes da pesquisa foram enfermeiros e técnicos de enfermagem que atuam na UTI adulto. Ao prestar cuidados ao potencial doador, a equipe de enfermagem apresenta sentimentos de tristeza, angústia, sofrimento, insegurança e busca estratégias para minimizá-los no intuito de melhorar sua assistência. Destaca-se a necessidade de apoio psicológico a equipe de enfermagem e ampliação dos estudos nesta temática, aprofundar o conhecimento técnico e científico, e aprimorar os cuidados.

 

Palavras-chave: Morte encefálica. Obtenção de órgãos e tecidos. Enfermagem. Relação enfermeiro-paciente.

 

Biografia do Autor

Joise Magarão Queiroz Silva, Universidade Federal da Bahia

Enfermeira, Doutoranda em Enfermagem e Saúde - PPGENF/Escola de Enfermagem/UFBA. Docente do Curso de Graduação em Enfermagem da UNIME Salvador

VANESSA INGRID DOS SANTOS CORBACHO

Enfermeira assistencial no Hospital Santo Antônio (Obras Sociais Irmã Dulce)

TYCIANA PAOLILO BORGES

Enfermeira, Mestra em Enfermagem. Docente do Curso de Graduação em Enfermagem da UNIME Salvador e UNIFACS Paralela.

KARLA FERRAZ DOS ANJOS

Enfermeira, Pós-doutoranda em Enfermagem e Saúde - PPGENF/Escola de Enfermagem/UFBA.

LILIANE SOUZA CRUZ

Enfermeira, Enfermeira Supervisora do HGRS, Docente do Curso de Graduação em Enfermagem da UNIME Salvador.

KELLY CRUZ PIMENTEL SAMPAIO

Enfermeira, Mestranda em Enfermagem e Saúde - PPGENF/Escola de Enfermagem/UFBA

Referências

1. Souza SS, Borenstein MS, Silva DMGV, Souza SS, Carvalho JB. Estratégias de enfrentamento da enfermagem no cuidado ao potencial doador de órgãos. Revista Rene, 2013; 14(1):92-100. Disponível em: Acesso em: 25 ago. 2015


2. Resolução da morte encefálica é publicada no Diário Oficial. Conselho Federal de Medicina. Disponível em: Acesso em: 30 jul. 2018


3. Brasil. Resolução CFM N° 2.173, de 23 de nov. de 2017. Define os critérios do diagnóstico de morte encefálica, Brasília, DF, 23 de nov. de 2017. Disponível em: Acesso em: 30 jul. 2018


4. Tannous LA, Yazbek VMC, Giugni JR. Manual para notificação, diagnóstico de morte encefálica e manutenção do potencial doador de órgãos e tecidos. Secretaria de Estado da Saúde. Superintendência de Gestão de Sistemas de Saúde. Paraná, 2014. Disponível em: Acesso 18 ago. 2015


5. Pestana AL, Santos JLG, Erdmann RH, Silva EL, Erdmann AL. Pensamento Lean e cuidado do paciente em morte encefálica no processo de doação de órgãos. Rev Esc Enferm USP 2013; 47(1):258-64. Disponível em: Acesso 22 ago. 2015


6. Magalhães ALP, Erdmann AL, Sousa FGM, Lanzoni GMM, Silva EL, Mello ALSF. Significados do cuidado de enfermagem ao paciente em morte encefálica e potencial doador. Rev Gaúcha Enferm. 2018; 39:e2017-0274. Disponível em: Acesso 15 set 2018


7. Pestana AL, Santos JLG, Erdmann RH, Silva EL, Erdmann AL. Pensamento Lean e cuidado do paciente em morte encefálica no processo de doação de órgãos. Rev Esc Enferm USP 2013; 47(1):258-64. Disponível em: Acesso 22 ago. 2015


8. Cavalcante LP, Ramos IC, Araújo AM, Alves MDS, Braga VAB. Cuidados de enfermagem ao paciente em morte encefálica e potencial doador de órgãos. Acta Paulista de Enfermagem. 2014; 27(6):567-72. Disponível em: Acesso 25 ago. 2015


9. Costa RC, Da Costa LP, Aguiar N. A enfermagem e o paciente em morte encefálica na UTI. Rev. bioét. 2016; 24 (2): 368-73. Disponível em: Acesso em: 15 set. 2018


10. Bardin L. Análise de conteúdo. Cap.III e IV. 1 a. reimp. 1 a. ed. São Paulo: Edições 70, 2011.


11. Souza SS, Borenstein MS, Silva DMGV, Souza SS, Carvalho JB. Situações de estresse vivenciadas pela equipe de enfermagem no cuidado ao potencial doador de órgãos. J. res.: fundam. care. online 2013. jul./set. 5(3):42-52. Disponível em:< http://www.revistarene.ufc.br/revista/index.php/revista/article/viewFile/96/pdf > Acesso 06 mar. 2016


12. Erlacher RGN, Siqueira Neto J, Thomazini MA, Almeida Junior J, Mendes CM, Campos AS. Cartilha técnica de doação de órgãos para profissionais de saúde. Central de transplantes do Espírito Santo. Governo do Estado do Espírito Santo. Secretária de Saúde, 2014. Disponível em: Acesso em 11 nov. 2015


13. Araújo MN, Massarollo MCKB. Conflitos éticos vivenciados por enfermeiros no processo de doação de órgãos. Acta Paul Enferm. 2014; 27(3):215-20. Disponível em:< http://www.scielo.br/pdf/ape/v27n3/1982-0194-ape-027-003-0215.pdf > Acesso em: 06 mar. 2016.

Publicado

2020-12-21

Como Citar

Magarão Queiroz Silva, J., DOS SANTOS CORBACHO, V. I., PAOLILO BORGES, T., FERRAZ DOS ANJOS, K., SOUZA CRUZ, L., & CRUZ PIMENTEL SAMPAIO, K. (2020). SENTIMENTOS DA EQUIPE DE ENFERMAGEM NO CUIDADO AO PACIENTE EM MORTE ENCEFÁLICA E POTENCIAL DOADOR. Revista Brasileira De Saúde Funcional, 12(1), 44. Recuperado de http://seer-adventista.com.br/ojs3/index.php/RBSF/article/view/1247