A IMPORTÂNCIA DA GAMIFICAÇÃO E DO DESIGN THINKING COMO FERRAMENTAS DE APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL

Autores

  • Társis Dantas dos Santos Braga Graduado em Administração pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB)
  • Regina Celi Machado Pires Doutora em Educação pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Mestre em Educação pela Universidade Federal da Bahia. Bacharel em administração pela Universidade Católica do Salvador. Coordenadora e membro da Comissão de TCC do curso de Administração. Integrante do Grupo de Pesquisa “Acompanhamento e Avaliação de Políticas Públicas”, junto ao Núcleo de Pesquisa e Extensão (NUPE), do Departamento de Ciências Humanas do Campus I (DCH-I) da Universidade do Estado da Bahia (UNEB), onde é coordenadora de pesquisa sobre a formação e prática do Administrador. É Professora Titular do DCH-I, com Dedicação Exclusiva (DE).Tem experiência em Administração e Educação Superior, atuando, principalmente, nos seguintes temas: Iniciação Científica; Avaliação de Egressos; Universidade; Formação e Prática do Professor/Pesquisador; Formação e Prática do Administrador; e Gestão em Educação.

Palavras-chave:

Aprendizagem organizacional, Design thinking, Gamificação, Partida JOIN,

Resumo

O presente artigo foi elaborado como requisito para
conclusão do curso de Administração na Universidade
do Estado da Bahia (UNEB). O objetivo foi descrever
a aplicação da gamificação e do design thinking na
aprendizagem organizacional dos colaboradores de
uma organização. Para isto, realizou-se um estudo de
caso no Instituto Euvaldo Lodi (IEL), por possuir ação
direta no desenvolvimento da tecnologia do Jogo da
Inovação (JOIN). A abordagem foi qualitativa de caráter
descritivo. Os dados primários da pesquisa foram obtidos
por meio de entrevista semi-estruturada, enquanto os
dados secundários foram análise documental (cartilhas
utilizadas pelas empresas participantes da Partida JOIN)
e revisão de literatura. Como categorias de análise foram
estabelecidas gamificação e design thinking. Os resultados
apontaram que ambas as ferramentas contribuem, de
forma significativa, para o aprendizado dos indivíduos,
inseridos neste processo, além de identificar problemas e
oportunidades, envolvendo, não só, o público interno, mas
também, o público externo da instituição. Demonstrandose a importância da ferramenta para as organizações
que se preocupam com a otimização de processos e
competitividade e, além disso, com a satisfação de
seus stakeholders.

Referências

AMBROSE, Gavin; HARRIS, Paul. Design thinking: the act or practice of using your mind to
consider design. 1.ed. London: AVA Publishing, 2010
ASSIS, R. M. Aplicações da metodologia lego serious play no desenvolvimento de pessoas:
uma análise da visão dos facilitadores da empresa smart play. 2018. 41f. Trabalho de
conclusão de curso – Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2018. p. 9-17
AZEVEDO, D.; BITENCOURT, C. C.; O futuro da aprendizagem organizacional: possibilidades e
desafios. Revista de administração de empresas, Belo Horizonte, v. 46, 2006.
BONINI, L. A. &Sbragia, R. O Modelo de Design Thinking como Indutor da Inovação nas
Empresas: Um Estudo Empírico. Revista de Gestão e Projetos, 2, 1, 2011. Acesso em: 02 mai.
2018. p. 3-25
BROWN, Tim. Design thinking: How to deliver a great plan. Disponível em: file:///C:/Users/Win7/
Dropbox/TCC%20-%20DESIGN%20THINKING/brown.pdf. 2008. Acesso em: 05mai. 2018
BUKOWITZ, Wendi; Williams, Ruth. Manual de Gestão do Conhecimento. Porto Alegre:
Bookman, 2002.
CAVALCANTI, Marly. Gestão estratégica de negócios: evolução, cenários, diagnóstico e ação. 2.
ed. São Paulo: Cengage learning, 2011.
CAVALCANTI, Carolina; FILATRO, Andrea. Design thinking: na educação presencial, a distância e
corporativa. 1 ed. São Paulo: Saraiva, 2016.
COOK,Whitney. 5 reasons You can’t ignore gamification. Disponível em: http://www.
incentivemag.com/Strategy/Non-Sales/5-Reasons-You-Can-t-Ignore-Gamification/. 2013. Acesso
em: 04 mai. 2018
FLEURY, Afonso. Capacitação tecnológica e processo de trabalho: comparação entre o modelo
japonês e o brasileiro. Revista de administração de empresas, São Paulo, v. 30, n. 4, out./dez.
1990
FLICKR. Partida JOIN em evento realizado pelo PROCOMPI - IEL/BA – FIEB. Disponível em:
https://www.flickr.com/photos/jogodainovacao/14331395246. 2014. Acesso em: 17 jun. 2018
GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa/Antônio. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.
KAPP, Karl. Exploring Gamification and Learning with Karl Kapp. Disponível em: https://www.
leadinglearning.com/episode-65-gamification-learning-karl-kapp/. 2017. Acesso em: 13 mai
2018.
LOIOLA, E.; NÉRIS, J.S.; BASTOS, A.V.B. Aprendizagem em organizações: mecanismos que
articulam processos individuais e coletivos. In: BORGES-ANDRADE, Jairo Eduardo; ABBAD,
Gardênia da Silva; MOURÃO, Luciana. (Org.). Treinamento, Desenvolvimento e Educação em
Organizações e Trabalho: Fundamentos para a Gestão de Pessoas. Porto Alegre -RS, v. 1, cap. 6, p.
114-136, 2006.
MCGONIGAL, Jane. Reality is broken: why games make us better and how they can change the
world. New York. Penguin Press, 2011.
OCDE - Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico. Manual de Oslo:
diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação. 3. ed. Traduzido pela FINPFinanciadora de Estudos e Projetos, 2005, 184 p.
PINHEIRO, Tennyson; ALT, Luis. Design thinking Brasil: Empatia, colaboração e experimentação
para pessoas, negócios e sociedade. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011, p. 1- 125
PIRES, Ana.O poder do jogo como mediador da atividade deinovação em micro, pequenas e
médias empresas. 215f. Tese (Doutorado) – Escola de Administração, Universidade Federal da
Bahia, 2014.
PORTER, Michael. Competição. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. p. 38-62
PROJETO JOGO DA INOVAÇÃO – JOIN. Tecnologia de gestão da inovação: Jogo da inovação –
JOIN cartas e ferramentas de gestão. Salvador: Sistema FIEB, 2015.
PRODANOV, Cléber; DE FREITAS, Cristiano. Metodologia do trabalho científico: métodos
etécnicas da pesquisa e do trabalho acadêmico. 2 ed. Novo Hamburgo: Freevale, 2013.
ROBBINS, Stephen. Comportamento organizacional. 11.ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall,
2005.
SCHLEMMER, e.; LOPES, d. Q. Avaliação da aprendizagem em processos gamificados: desafios
para apropriação do método cartográfico. In: ALVES, lynn; COUTINHO, Isa de Jesus. (org.). Jogos
digitais e aprendizagem. 1 ed. Campinas: Papirus editora, 2016, v. 1, p. 179-208.
SEBRAE. Canvas: como estruturar seu modelo de negócio. Disponível em: http://www.sebraepr.
com.br/PortalSebrae/artigos/Canvas:-como-estruturar-seu-modelo-de-neg%C3%B3cio. Acesso
em: 15 jul. 2018
SEBRAE. Quer entrar no Mercado de games? Disponível em: http://www.sebrae.com.br/sites/
PortalSebrae/ufs/mg/noticias/quer-entrar-no-mercado-de-games,79c19730e378e510VgnVCM1
000004c00210aRCRD. Acesso em: 10 mai. 2018
SENGE, Peter. A quinta disciplina: arte, teoria e prática da organização de aprendizagem. 4.ed.
São Paulo: Best seller, 1990. p. 11-87.
SILVA, A.R.L; SARTORI; Viviane; CATAPAN, A.H. Gamificação: uma proposta de engajamento na
educação corporativa. Inc: FADEL, Luciane Faria et al (Org.). Gamificação na educação.São Paulo:
Pimenta Cultural, 2014. P. 192-202.
TECNOLOGIA DE GESTÃO DA INOVAÇÃO. Join: inovador no conteúdo, no modo de aplicação
e na linguagem. Disponível em: http://www.jogodainovacao.com.br/portal/. Acesso em: 31 mai.
2018
VIANNA, Maurício et al. Design thinking: Inovação em negócios. 1.ed. Rio de janeiro: MJV Press,
2011. P.13-123.
VIANNA, Ysmar. Gamification, Inc: como reinventar empresas a partir de jogos. 1. Ed. Rio de
Janeiro: MJV Press, 2013. P. 27-55.
ZICHERMANN, Gabe; CUNNINGHAM, Christopher. Gamification by Design: Implementing Game
Mechanics in Web and Mobile Apps. 1 ed. Sebastopol:O’Reilly Media, Inc, 2011. p. 15-67.

Publicado

2020-01-17

Como Citar

Dantas dos Santos Braga, T., & Celi Machado Pires, R. (2020). A IMPORTÂNCIA DA GAMIFICAÇÃO E DO DESIGN THINKING COMO FERRAMENTAS DE APRENDIZAGEM ORGANIZACIONAL. Revista Formadores, 12(8), 88. Recuperado de http://seer-adventista.com.br/ojs3/index.php/formadores/article/view/1252