CONDIÇÕES DE TRABALHO E SAÚDE DE POPULAÇÕES QUILOMBOLAS DO RECÔNCAVO BAIANO

Autores

  • Isabella Pereira de Almeida
  • Ayeska Shaieny Ferreira da Silva
  • Maria Eduarda Mesquita Parreira
  • Kellen Bruna de Sousa Leite
  • Luisa Fernandes Fonseca Sandes
  • Daniel Antunes Freitas

DOI:

https://doi.org/10.25194/rebrasf.v9i1.1442

Resumo

Objetivo: O objetivo deste estudo foi analisar as condições de trabalho em comunidades quilombolas do recôncavo baiano, correlacionando com os processos de saúde-doença. Materiais e métodos: Trata-se de uma pesquisa qualitativa/quantitativa exploratória, realizada nas comunidades Mutecho e Opalma, em Cachoeira, Bahia, com a participação de 49 indivíduos. Os dados foram processados no programa SPSS e submetidos à análise descritiva simples. Resultados: Como resultados se destacam as atividades de trabalhador volante da agricultura, empregado doméstico e trabalhador na agricultura de dendê. 67,3% responderam sentir desconfortos durante a jornada de trabalho; o principal foi a dor, seguida de fraqueza e vertigem com duração de mais de 6 (seis) meses. Houve uma alta prevalência de dores musculoesqueléticas entre a população, cuja maioria apontou apresentá-la em mais de um segmento do corpo, podendo existir uma relação direta com o tipo de trabalho, em fase crônica. Conclusões: Concluiu-se que o trabalho gerou uma alta incidência de desconfortos associados, com características de Lesões por Esforços Repetitivos/Distúrbios Osteomusculares Relacionados ao Trabalho devido à intensa jornada, porém a percepção desses trabalhadores em relação à função que exercem é de que trabalhar é uma forma de manter seu sustento com satisfação e vitalidade.

Biografia do Autor

Isabella Pereira de Almeida

Bolsista de Iniciação Científica Ensino Médio CNPq/Unimontes.

Ayeska Shaieny Ferreira da Silva

Bolsista de Iniciação Científica Ensino Médio CNPq/Unimontes.

Maria Eduarda Mesquita Parreira

Bolsista de Iniciação Científica Ensino Médio CNPq/Unimontes.

Kellen Bruna de Sousa Leite

Graduanda em Medicina pela Universidade Estadual de Montes Claros. Bolsista de Iniciação Científica BIC/UNI.

Luisa Fernandes Fonseca Sandes

Graduanda em Medicina pela Universidade Estadual de Montes Claros.

Daniel Antunes Freitas

Doutor em Ciências da Saúde pela Universidade Estadual de Montes Claros.

Referências

Tolfo SR, Piccinini V. Sentidos e significados do trabalho: explorando conceitos, variáveis e estudos empíricos brasileiros. Psicol Soc, 2007;19:39–46. https://doi.org/10.1590/S010271822007000400007

Ribeiro SB. Análise dos riscos ergonômicos dos trabalhadores rurais no processo de colheita. [Dissertação]. João Pessoa: Universidade Federal da Paraíba; 2005.

Lopes D, Dias A, Mansur D. Trabalho e quilombolas: as relações de trabalho dos residentes no quilombo São José da Serra - Valença/Rio de Janeiro. Cad. UniFOA, 2008;7:47-53.

Martins TCS. Determinações do racismo no mercado de trabalho: implicações na “questão social” brasileira. Rev. Temp, 2014;28(14):113-132.

Verlindo JAS, Campelo RG. A inserção dos negros no mercado de trabalho da Região Metropolitana de Porto Alegre e seu desempenho em períodos de crise. Indic. Econ. FEE. 2016;42(4):67–82.

Ministério da Saúde. Política nacional de saúde integral da população negra. Brasília: MS; 2007.

Brasil. Portaria 1823 de 23 de agosto de 2012. Institui a Política Nacional de Saúde do Trabalhador e da Trabalhadora. Ministério da Saúde [Internet]. 2012;34. Disponível em: http://saude.es.gov.br/Media/sesa/CEREST/sitePortaria_1823_12_institui_politica.pdf. Acesso em

Abr 2019.

Amorim IG, Germani GI. Quilombos Da Bahia: Presença incontestável. In: Anais do X Encontro Geógrafos da América Latina [Internet]. Março de 2005; São Paulo-SP. Disponível em: https://geografar.ufba.br/sites/geografar.ufba.br/files/geografar_amorimgermani_quilombosbahia.

pdf Acesso em: 15 Abr. 2019.

Classificação Brasileira de Ocupações-CBO. Disponível em: http://cbo.maisemprego.mte.gov.br/cbosite/pages/downloads.jsf. Acessado em: 1 de agosto de 2021.

Bezerra VM, Andrade ACS, Cesar CC, Caiaffa WT. Domínios de atividade física em comunidades

quilombolas do sudeste da Bahia, Brasil: Estudo de base populacional. Cad Saúde Pública, 2015;31(6):1213-1224.

Moreira JPL, Oliveira BLCA, Muzi CD, Cunha CLF, Luiz RR. A saúde dos trabalhadores da atividade rural no Brasil. Cad Saúde Pública, 2015;31(8):1698-1708.

Brasil. Decreto No 73.626, de 12 de fevereiro de 1974. Regulamento das relações individuais e coletivas de trabalho rural. Ministério do trabalho e previdência social. Brasília, 12 de fevereiro de 1974: 153o da independência da 86o da República.

Teixeira EP, Mussi FF, Petroski EL, Munaro HLR, Figueiredo ACMG. Problema crônico de coluna/dor nas costas em população quilombolas de região baiana, nordeste brasileiro. Fisioter Pesqui. 2019;26(1):85-90. Disponível em: https://www.scielo.br/j/fp/a/H8czBWrXCbbz6DWs36SczFG/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 12 jul. 2021.

Santos LRCS. Dor nas costas: prevalência e fatores associados em comunidades quilombolas da Bahia. Tese [Doutorado]. Belo Horizonte, Universidade Federal de Minas Gerais – UFMG. 2014; Disponível em: https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/BUOS9TGJ9K/1/tese_luis_rog_rio_cosme_2014.pdf Acesso em: 12 jul. 2021.

Mussi RFF, Teixeira EP, Figueiredo ACMG. Problema/Dor articular e atividade física de tempo livre em Quilombo Baiano, Brasil. Rev Ciênc Méd Biol, 2016;15(1):68-72. Disponível em: https://periodicos.ufba.br/index.php/cmbio/article/view/13297/11100. Acesso em: 12 jul. 2021.

Teixeira MLP, Freitas RMV. Acidentes do trabalho rural no interior paulista. SP em Perspec.

; 17(2):81-90.

Simões MRL, Rocha AM, Souza C. Fatores associados ao absenteísmo – Doenças dos trabalhadores rurais de uma empresa florestal. Rev Latino-Am Enfermagem, 2012;20(4):09.

Alves RA, Guimarães MC. De que sofrem os trabalhadores rurais? – Análise dos principais motivos de acidentes e adoecimentos nas atividades rurais. Informe Gepec. 2012;16(2):39-56.

Franceshina AP, Beltrame V. Impacto das doenças osteomusculares à saúde do trabalhador rural. In: XII Semana Acadêmica e III Mostra Científica de Enfermagem. Maio de 2017; Evento Online. Fortaleza. Disponível em: https://portalperiodicos.unoesc.edu.br/anaissamcenf/article/view/13438. Acesso em 18 ago. 2021.

Rocha LP, Vaz MRC, Almeida MCV, Piexak DR, Bonow CA. Associação entre a carga de trabalho agrícola e as dores relacionadas. Acta Paul Enferm, 2014;27(4):333-9.

Hartall C, Ospina M. How prevalent is chronic pain? J Pain IASP 2003;11(2):1-4.

Sá K, Baptista AF, Matos MA, Lessa I. Prevalência de dor crônica e fatores associados na população de Salvador, Rev Saúde Pública 2009;43(4):622-30.

José R. Fisioterapia na Saúde do Trabalhador: CUIDANDO DA SAUDE FUNCIONAL DO TRABALHADOR. 2a edição, 1 janeiro de 2014 Editora Andreoli, pág 368 páginas.

Grossi PK, Oliveira SB, Bitencourt JV. Mulheres e divisão sexual do trabalho na sociedade contemporânea. In: Anais do 6o Encontro Internacional de Política Social e 13º Encontro Nacional de Política Social. junho de 2018; Vitória-ES. Disponível em: https://periodicos.ufes.br/einps/article/view/20034 Acesso em: 12 jul. 2021.

Publicado

2021-08-10

Como Citar

Pereira de Almeida, I., Shaieny Ferreira da Silva, A., Eduarda Mesquita Parreira, M., Bruna de Sousa Leite, K., Fernandes Fonseca Sandes, L., & Antunes Freitas, D. (2021). CONDIÇÕES DE TRABALHO E SAÚDE DE POPULAÇÕES QUILOMBOLAS DO RECÔNCAVO BAIANO. Revista Brasileira De Saúde Funcional, 9(1), 76-87. https://doi.org/10.25194/rebrasf.v9i1.1442