OS DESAFIOS ENFRENTADOS PELAS MULHERES PRETASNO MERCADO DE TRABALHO EM SALVADOR SOB UMA PERSPECTIVA INTERSECCIONAL

Autores

  • Tânia Moura Benevides UFBA
  • Juliana de Castro Braz Castro Castro Universidade do Estado da Bahia

Palavras-chave:

Mulheres, Pretas, Interseccionalidade, Trabalho, Desafios

Resumo

O presente artigo tem o objetivo de caracterizar os desafios enfrentados pelas mulheres pretas no mercado de trabalho em Salvador sob um olhar interseccional, basicamente levando em consideração a encruzilhada de marcadores sociais que as afetam. A pesquisa aponta importantes pontos tais como: a discussão sobre diversidade organizacional como um aspecto de trabalho, levando em consideração seus marcadores sociais como classe, gênero, raça/etnia, geração e território. A partir daí, formamos os DSC’s para as análises e identificamos alguns desafios, por exemplo, ser mulher, ser preta, ser periférica, ter traços negroides, ser das ciências exatas e outros. Todos esses marcadores perpassam a vida dessas mulheres, lhe proporcionado estratégico, além da enorme lacuna entre os discursos e as práticas organizacionais. Para isso utilizamos como metodologia de análise a técnica do Discurso do Sujeito Coletivo (DSC) de Lefèvre e Lefèvre (2003). Com esse método é possível dar voz a vários sujeitos por meio de um discurso único, ou seja, o discurso coletivo. Com o auxílio dessa ferramenta metodológica recolhemos alguns depoimentos de mulheres pretas a respeito de suas vivências no mercado muitos desafios. Dentre estes, o aspecto racial é um dos que se apresentam com mais intensidade nos resultados. Assim, os marcadores são apresentados pelas entrevistadas como fatores que impactaram de forma significativa ­seu bem-estar no contexto organizacional, mas também o clima e a produtividade organizacional.

Biografia do Autor

Tânia Moura Benevides, UFBA

Doutora em Administração pela Universidade
Federal da Bahia (UFBA), mestre em
Administração Estratégica pela Universidade
Salvador e especialista em Finanças Empresariais
pela Fundação Getúlio Vargas, com graduação
em Administração pela Faculdade Ruy Barbosa.
É professora adjunta da Universidade do
Estado da Bahia e da UFBA e professora horista
da Faculdade Adventista da Bahia (FADBA).
Atualmente coordena a Unidade de Educação a
Distância da UNEB e atua como coordenadora
do curso de formação denominado Movimento
Popular e Direito à Cidade: uma abordagem
formativa (UFBA). Como pesquisadora integra
a equipe do projeto denominado Qualidade do
Ambiente Urbano de Salvador – QUALISalvador e
é Editora da Revista Formadores [B3].

Juliana de Castro Braz Castro Castro, Universidade do Estado da Bahia

Mestranda em Gestão e Tecnologias Aplicadas à Educaçãopela Universidade do Estado da Bahia (UNEB), Graduada em Administração pela mesma Universidade, Tecnóloga em Gestão de Recursos Humanos pela Faculdade de Gestão &Negocios (FGN).

Referências

ALMEIDA, Silvio Luiz de. O que é racismo Estrututal? Belo Horizonte (MG): Letramento, 2018.
AKOTIRENE, Carla. O que é Interseccionalidade? Belo Horizonte-MG: Letramento: Justificando, 2018.
BRASIL. Lei nº 7.716, de 5 de janeiro de 1989.Disponível em:. Acesso em: 03 mai. 201.
BRAH, Avtar; PHOENIX, Ann. Ain’t I A Woman? Revisiting intersectionality.Journal of International Women’s Studies, Bridgewater, v. 5, n. 3, 2004.Disponívelem: . Acesso em: 08 dez. 2016.
CENSO Demográfico. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE, 2018. Disponível em: . Acesso em: 03 mai. 2018.
CICLO Internacional de Mulher Negra e Ancestralidade na Diáspora Latino-Americana, 1ed., 2 ed., 2017, Salvador.
CONGRESSO Sobre o Pensamento das Mulheres Negras no Brasil, 2.ed., 2016, Salvador.
DESLAURIERS, J. Recherchequalítative- Guide pratique. Montreal: McGraw~Hill,, p. 58, 1991.
FÓRUM Negro de Artes e Ciências, .ed., 2017, Salvador.
FÓRUM Baiano de Diversidade no Mercado de Trabalho, 1 ed., 2017, Salvador.
GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2007.
HOOKS, Bell. Killing rage: Endingracism. Journal of Leisure Research., v. 28,, n. 4, p. 316, 1996.
JAIME, Pedro. Executivos negros: racismo e diversidade no mundo empresarial. Edusp, 2016.
LANÇAMENTO do Livro "Executivos Negros. 2017, Salvador.
LEFÈVRE, Fernando; LEFÈVRE, Ana Maria Cavalcanti. O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa; desdobramentos. In: O discurso do sujeito coletivo: um novo enfoque em pesquisa qualitativa; desdobramentos. 2003.
LIMA, Santos Bruno. Formas de enfrentamento diante do preconceito e discriminação vivenciados por pessoas homoafetivas. O portal dos psicólogos, Lisboa, 2016. Disponível em: . Acesso em: 26 mai. 2017.
LOPES, C. L. E. 8 de março, Dia Internacional da Mulher –Uma data e muitas histórias. Disponível em: . Acesso em: 18 de set. 2012.
LORDE, Audre. There is no hierarchy of oppression. In: LORDE, Audre. I Am Your Sister: Collected and of AudreLorde. New York: Oxford University Press, p. 219-220, 2009.
MATTAR, F. N. Pesquisa de Marketing.São Paulo: Atlas, 1996.
OLIVEIRA, Sidinei Rocha. Mercado de Trabalho: múltiplos (des)entendimentos. In: XXXI Encontro da ANPAD, 31., 2007, Rio de Janeiro. Anais...Rio de Janeiro: ANPAD, 2007. Disponível em: . Acesso em: 29 mai. 2017.
PEREIRA, Jamille Barbosa Cavalcante; HANASHIRO, Darcy Mitiko Mori. A Gestão da
Diversidade: uma Questão de Valorização ou de Dissolução das Diferenças. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 2007.
SAJI, Genilda Sandra Madeira. Gestão da diversidade no Brasil: apresentação de um modelo brasileiro. 2005. Tese de Doutorado.
THOMAS, R. R. Jr. Redefining diversity. Human Resource Focus, n. 4, v. 73, p. 6-7, 1996.
WERNECK, Jurema. Construindo a equidade: estratégias para implementação de políticas públicas para a superação das desigualdades de gênero e raça para as mulheres negras. Rio de Janeiro: AMNB, 2007.

Publicado

2019-11-28

Como Citar

Moura Benevides, T., & Castro, J. de C. B. C. (2019). OS DESAFIOS ENFRENTADOS PELAS MULHERES PRETASNO MERCADO DE TRABALHO EM SALVADOR SOB UMA PERSPECTIVA INTERSECCIONAL. Revista Formadores, 12(7), 6. Recuperado de https://seer-adventista.com.br/ojs3/index.php/formadores/article/view/1222