POLÍTICA DE COTAS E DESENVOLVIMENTO: ANÁLISE SOBRE AS PROJEÇÕES DOS ALUNOS COTISTAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNEB E A PERCEPÇÃO SOBRE A SUA INFLUÊNCIA NO SEU TERRITÓRIO DE ORIGEM

Autores

  • Tânia Moura Benevides UFBA
  • Eloá Jesus Jesus dos Santos HSM University

Palavras-chave:

Sistema de Cotas, Desenvolvimento Territorial, Administração, UNEB

Resumo

Especialista em Gestão de Projetos pela HSM University. Bacharel em Administração pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Estagiou na Justiça Federal do Brasil - Seção Bahia, no Serviço de Atendimento ao Cidadão - SAC, no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, na Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Bahia. Foi vice presidenta do Centro Acadêmico de Administração (CAADM). Atuou como projetista no Grupo Cultural Amuleto e Pesquisadora no grupo de iniciação cientifica QualiSalvador. Atualmente é Analista de Experiência em uma empresa de gestão educacional.

Biografia do Autor

Tânia Moura Benevides, UFBA

Doutora em Administração pela Universidade
Federal da Bahia (UFBA), mestre em
Administração Estratégica pela Universidade
Salvador e especialista em Finanças Empresariais
pela Fundação Getúlio Vargas, com graduação
em Administração pela Faculdade Ruy Barbosa.
É professora adjunta da Universidade do
Estado da Bahia e da UFBA e professora horista
da Faculdade Adventista da Bahia (FADBA).
Atualmente coordena a Unidade de Educação a
Distância da UNEB e atua como coordenadora
do curso de formação denominado Movimento
Popular e Direito à Cidade: uma abordagem
formativa (UFBA). Como pesquisadora integra
a equipe do projeto denominado Qualidade do
Ambiente Urbano de Salvador – QUALISalvador e
é Editora da Revista Formadores [B3].

Eloá Jesus Jesus dos Santos, HSM University

Especialista em Gestão de Projetos pela HSM University. Bacharel em Administração pela Universidade do Estado da Bahia (UNEB). Estagiou na Justiça Federal do Brasil - Seção Bahia, no Serviço de Atendimento ao Cidadão - SAC, no Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - IBGE, na Ordem dos Advogados do Brasil - Seção Bahia. Foi vice presidenta do Centro Acadêmico de Administração (CAADM). Atuou como projetista no Grupo Cultural Amuleto e Pesquisadora no grupo de iniciação cientifica QualiSalvador. Atualmente é Analista de Experiência em uma empresa de gestão educacional.

Referências

-World Health Organization. Division of Food and Nutrition. Essential safety requirements for street-vended foods. (Revised edition). Available from:< http://www.who.int/fsf/96-7.pdf>.

- Food and Agriculture Organization of the United Nations- FAO. INFOSAN- Information note n.3/2010. Safety of Street vended food. Disponível em: http://www.who.int/foodsafety/fs_management/No_03_StreetFood_Jun10_sp.pdf>.

- Haryani Y, Tunung R, Chai LC, Lee HY, Tang SY, Son R. Characterization of Enterobacter cloacae isolated from street Foods. ASEAN Food J, 15(1), 57-64, 2008.

-Mahale DP, Khade RG, Vaidya VK. Microbiological Analysis of Street Vended Fruit Juices from Mumbai City, India. J Food Saf. 10(2), 31- 34, 2008.

- Abdallah M.S.; Mustafa NEM. Bacteriological Quality of Street-vended Um Jinger: a Traditional Sudanese Food. J Food Saf . 12 (4), 16-19, 2010.

- Oliveira ACG, Seixas ASS, Souza CP, Souza CWO. Avaliação microbiológica de caldo de cana comercializado em ruas e condições de manuseio de manipuladores em São Carlos, São ulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 22(5), 1111-1114, 2006.

-Bezerra ACD, Reis RB, Bastos, DHM. Qualidade microbiológica de sanduíche comercializado nas ruas de Cuiabá - MT, Brasil e a percepção dos manipuladores. Ciênc. Tecnol. Aliment. 30 (2), 520-524, 2010.

- Souza GC, Santos CTB, Andrade AA, Alves L. Comida de rua: avaliação das condições higiênico-sanitárias de manipuladores de alimentos. Ciênc. saúde coletiva. 20(8), 2329–2338, 2015.

- Dallari, S. G. Vigilância sanitária de alimentos de consumo imediato no município de São Paulo: a importância da informação para o planejamento. Rev. Hig. Aliment. 14 (76), 24-26, 2000.

- Cardoso RCV, Loureiro ES, Neves DCS, Santos HTC. Comical de rua: um espaço para estudo na Universidade Federal da Bahia. Rev. Hig. Aliment. 17 (111), 12-17, 2003.

-Agência Nacional De Vigilância Sanitária (Brasil). Resolução n°. 216 de 15 de setembro de 2004. Dispõe sobre Regulamento Técnico de Boas Práticas para Serviços de Alimentação [Internet]. Diário Oficial da União 16 de set de 2004.

- Marmetini PR, Ronqui L, Alvarenga OV. A importância das boas praticas de manipulação para os estabelecimentos que manipulam alimentos. Rev Cien Facimed. 2(1), 263-273, 2010.

- Cavalcante BLL, Lima UTS.; Relato de experiência de uma estudante de Enfermagem em um consultório especializado em tratamento de feridas. J Nurs Health. 2(1) 94-103, 2002.

- Freire, P. Educação como prática de liberdade, 21. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1997.

- Praxedes PCG. Aspectos da qualidade higiênico-sanitária de alimentos consumidos e comercializados na cidade de São Remo. 2003. 120 f. Dissertação (Mestrado em Epidemiologia Experimental e Aplicada ao Controle das Zoonoses) - Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

- Arruda GA. Análise de perigos em pontos críticos de controle no SND. In: Fernandes AT, Fernandes MOV, Ribeiro Filho N. (Orgs.). Infecção hospitalar e suas interfaces na área de saúde. São Paulo: Atheneu, 2000.

-Melo AG. Conhecimento dos manipuladores de alimentos sobre boas práticas nos restaurantes públicos populares do Estado do Rio de JaneiroBraz. J. Food Technol.13(1), p. 60-68, 2010.

- Lagaggio VRA, Flores ML, Segabinazi SD. Avaliação microbiológica da superfície das mãos dos funcionários do restaurante universitário da Universidade Federal de Santa Maria, RS. Rev Hig. Aliment.16(100), 107-110, 2002.

- Cruz AG et al. A questão da higiene de manipuladores das lanchonetes localizadas ao redor do campus do CEFET/Química de Nilópolis, RJ. Rev. Inst. Adolfo Lutz, Rio de Janeiro, v.62, n.3, p. 245-248, 2003.

- Campos AKC, Cardonha MAS, Pinheiro LBG, Ferreira NR, Azevedo PRM, Stamford TLM. Assessment of personal hygiene and practices of food handlers in municipal public schools of Natal, Brazil. Food Control. 20(9), 807-810, 2009.

- Associação Brasileira De Refeições Coletivas (ABERC). Manual ABERC de Práticas de Elaboração e Serviço de Refeições para Coletividades. 9ª ed. São Paulo: ABERC; 2009.

Publicado

2019-11-28

Como Citar

Moura Benevides, T., & Jesus dos Santos, E. J. (2019). POLÍTICA DE COTAS E DESENVOLVIMENTO: ANÁLISE SOBRE AS PROJEÇÕES DOS ALUNOS COTISTAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO DA UNEB E A PERCEPÇÃO SOBRE A SUA INFLUÊNCIA NO SEU TERRITÓRIO DE ORIGEM. Revista Formadores, 12(7), 20. Recuperado de https://seer-adventista.com.br/ojs3/index.php/formadores/article/view/1225